22 comentários:
De Leunam a 5 de Agosto de 2020

El-rei D. Afonso Henriques estremece no seu sarcófago em Sta Cruz.
De Bic Laranja a 5 de Agosto de 2020
Nem lembre. Ainda brota algum incêndio no velho mosteiro…
Cumpts.
De Mandarinia a 5 de Agosto de 2020
Caro BIC,

Conheço muito bem essa zona e a mudança já começou há muito. Hoje observa-se o estado adiantado da mesma.

O contraste com as fotos antigas que o BIC publica não podia ser maior.

Já agora, as roupas das pessoas são uma desgraça. A moda anda pelas ruas da amargura.

Cumprimentos
De Bic Laranja a 5 de Agosto de 2020
Todo caminho da Baixa ao Areeiro e suas adjacências tornou-se uma enorme mouraria. O lugar da fotografia com suas inúmeras lojas é um «souk» — curiosamente a palavrinha dos moiros que deu «açougue» em português.
Ora aí a temos naquele «talho» da Fruta do Pali Babá. Fecha-se o ciclo.
Das gentes e sua roupagem, vão com a païsagem…
Cumpts.
De [s.n.] a 6 de Agosto de 2020
Julgo que em 1965 era a Casa Ferrador, depois passou a Alfaiataria do Chile e a um pronto a vestir antes do fruta-talho do Palibaba.
É interessante, e com certeza dará azo a muitos enganos, a numeração da Rua Morais Soares começar na Paiva Couceiro-Alto de São João.
De Bic Laranja a 6 de Agosto de 2020
A numeração das ruas normalmente começa do lado do Tejo. Há excepções.
O Ferrador era na Carlos Mardel, virando esquina. Virou um Pali Babá de telemóveis há poucos anos.
De [s.n.] a 6 de Agosto de 2020
Estava convencido que a Alfaiataria do Chile se formou com gente e no estabelecimento do Ferrador.
A numeração das ruas em Lisboa é como diz. Que assim seja nas ruas antigas com prédios erguidos entende-se, mas quanto aos arruamentos do início da século passado teria que se aguardar pela construção total no arruamento. Logicamente a atribuição da numeração começaria do lado do primeiro prédio construído. Na Morais Soares com certeza que os primeiros prédios começaram a ser construídos do lado da Praça do Chile.
Por exemplo, na Avenida dos EUA a numeração começa do lado do Campo Grande.
De Bic Laranja a 6 de Agosto de 2020
A Alfaiataria do Chile, diz o anúncio, foi fundada em 1925. Anterior ao Ferrador, me parece. Não significa que gente do Ferrador não haja tomado a Alfaiataria. A vida dá muita volta.

A Av. dos E.U.A. começou por ser o troço de rua que liga o Campo Grande à Cinco de Outubro, ainda o troço ocidental não existia.
É uma das tais excepções.
A Rua Capitão Roby e a Frei Fortunato de S. Boaventura, que entroncam na Calçada da Picheleira são mais duas. Mas estas duas, em contrário à Calçada (antiga Azinhaga) do Carrascal, que lhes corre paralela e que também entronca(va) na Calçada da Picheleira antes de ser truncada.
Incoerências que vão da regra ao senão do seu argumento.
:)
Cumpts.
De [s.n.] a 6 de Agosto de 2020
Numa fotografia de 1940, julgo que de E. Portugal, do cruzamento das Ruas Carlos Mardel-Morais Morais está uma loja neste local, mas os toldos tapam a identificação, e lembrando-me melhor a Casa Ferrador estava a seguir no mesmo prédio, agora um oculista ao lado do Palibaba.
Também do E. Portugal existe uma fotografia. Entrecampos post 1931, ainda com umas casas antigas que seriam derrubadas para darem lugar à Av. dos E.U.A. Não sabia desse pormenor em relação à Avenida 5 de Outubro.

Cumts.

De Bic Laranja a 7 de Agosto de 2020
Da Rua Francisco Sanches
O oculista era na Carlos Mardel, onde se vêem os taipais de madeira além da carroça, num prédio estraitinho de esquina; o Ferrador era logo a seguir, no sentido da garagem…
O oculista passou para a Morais Soares há um mês ou dois.
Cumpts.
De Bic Laranja a 7 de Agosto de 2020
... prédio estreitinho...
De [s.n.] a 8 de Agosto de 2020
Isso mesmo.
Agora, estou a 'ver o filme': a oficina da VW, a Casa Ferrador e a Alfaiataria na esquina.

Cumpts.






De jo a 13 de Agosto de 2020
O nº 1 da Avª dos Estados Unidos é a porta de serviço do prédio qe faz gaveto com a Avª Almirante Gago Coutinho. A porta principal fica na ãvªAlm Gago Coutinho, do lado contrário do Campo Grande
De Bic Laranja a 14 de Agosto de 2020
Muito bem. Deixei-me ir na conversa e afinal a Av. dos EstadosUnidos é regra e não excepção.
Grato do esclarecimento.
De [s.n.] a 14 de Agosto de 2020
Tem razão. O nº 1 da Av. E.U.A. é do lado da Av. Alm. Gago Coutinho. Era duma oficina da VW e agora é duma editora de livros.
O mais interessante é o nº.6 ser no primeiro prédio do lado do Campo Grande que faz gaveto com a Rua de Entrecampos e pertence à Caixa Nacional de Pensões, mas na outra esquina é o nº. 137.
Esta é das tais para o falecido Pessa comentar 'e esta hem!'
Compts.
De Bic Laranja a 14 de Agosto de 2020
Cheira-me que esse n.º 6 seja do Campo Grande.
Cumpts.
De [s.n.] a 14 de Agosto de 2020
Provavelmente.
Mas, tanto no Google Earth como no endereço CNP, é referido como Avenida dos EUA nº. 6.
Na fotografia Entrecampos post 1933, anterior à abertura da Avenida, o prédio existente também já fazia gaveto com a Rua de Entrecampos.

Cumpts.
De [s.n.] a 14 de Agosto de 2020
Queria dizer Centro Nacional de Pensões, onde funcionava o atendimento do Departamento Protecção Contra Riscos Profissionais.
De [s.n.] a 9 de Agosto de 2020
Muito decorativos são também os fios eléctricos, os cabos de fibra, etc. com que as operadoras das tele-comunicações brindaram a maioria das fachadas dos prédios da capital; a da foto é um "bom" exemplar.
Coisa bonita de se ver...
De Bic Laranja a 9 de Agosto de 2020
Há décadas maldizia-se a rede aérea dos carros eléctricos, que desfeava a cidade. A dita rede aérea era um aprumo de ordem.
Hoje cobram-me portagem do gás por passagem no subsolo, mas nenhuma operadora de telefones me paga direitos de passagem pelos cabos que traz na fachada do meu prédio desde o prédio anterior ao do vizinho seguinte.
Realmente!
De Marcos Pinho de Escobar a 20 de Agosto de 2020
Uma cidade portuguesa e para portugueses, sem dúvida.
De Bic Laranja a 21 de Agosto de 2020
Quem conheceu o lugar e quem no vê… Impressiona!
Abraço.

Comentar