13 comentários:
De Bic Laranja a 23 de Fevereiro de 2020
Também lhe chamava largo, até reparar na placa toponímica.
O cinzento, se bem lho percebo, guarde-o bem. Há muitos amigos de Peniche a quererem-no todo para eles.
Cumpts.
De [s.n.] a 24 de Fevereiro de 2020
Nunca que soube ao certo, que 'porco' queriam os amigos de Peniche em troca da oferta do 'chouriço'.
De Bic Laranja a 24 de Fevereiro de 2020
Que pergunta! O poder.
De [s.n.] a 24 de Fevereiro de 2020
Percebo a admiração.
Mas, parece que o 'porco' era todo Brasil.

De Bic Laranja a 24 de Fevereiro de 2020
Ah, recua aos autênticos!
Não. O Brasil ainda não rendia grande coisa. Eram ainda os fumos da Índia.
De [s.n.] a 25 de Fevereiro de 2020
Referia-me a amigos de Peniche, aos ingleses lá aquartelados que ajudaram (o chouriço) contra os franceses e queriam todo Brasil (o porco) por isso.
Ficaram com tráfego marítimo e mais tarde, por muitos anos, com a concessão/donos da CP, dos TLP e da Carris.
Em 195... era içada, nos feriados, a bandeira da G.B. no Elevador de Santa Justa, no edifício da CP na Calç. do Duque e na Estação do Rossio.
De Bic Laranja a 25 de Fevereiro de 2020
Os amigos de Peniche, a origem da expressão, consta quer remonta ao desembarque de D. António, Prior do Crato, com tropa inglesa (hereges antipapistas) em 1589, para reconsquistar Portugal aos castelhanos. Nessa investida montou cerco a Lisboa mas não teve êxito. D. António esperava, ao desembarcar em Portugal, que se o povo levantasse em armas a apoiá-lo, como o apoiara em 1580. Como a tropa que trazia era de ingleses (hereges), o bom português, como católico romano que era não quis nada com hereges, e não no apoiou. Nem deixou de apoiar. Demitiu-se.
D. António pôs cerco a Lisboa, mas retirou sem glória.
A expressão «amigos de Peniche» representa isso. Amigos que parece que ajudam, mas não ajudam nem desajudam. Só comprometem. Não eram inimigos porque vinham contra o castelhano usurpador e com isso pareciam amigos. Mas eram antipapa, uma heresia desgraçada.
Nessa aliança com a Isabel I de Inglaterra, D. António, parece ter empenhado o Brasil, não sei. Daqui o que disse. Sucede que os ingleses em 1589 não sabiam navegar para o Brasil. Os franceses sim. De modo que o trato pouco deitaria a perder ao D. António.
A expressão dos amigos de Peniche aplicada aos ingleses de 1808, não sei… Talvez por reedição e fraca memória. Mas tuo isto pode não passar de mito.
Do resto, e do içar do Union Jack em empresas concessionárias britãnicas em dias feriados, é novidade que me dá. Mas a C.C.F.L., como a Anglo Portuguese Telephone Company eram de capital britânico concessionárias de negócios de grande e necessário investimento (especialmente os telefones) de que Portugal não tinha meios nem conhecimento para lançar. Um compromisso de investimento e desenvolvimento necessário e justificado ao bom governo de quem não sabe e precisa.
Pior é dar negócios destes a estangeiros quando se sabe e se tem meios próprios de fazer, o que não foi o caso dos caminhos de ferro no tempo de Fontes, dos telefones nos anos 10, 20, 30, ou dos autocarros e eléctricos de 1900 a 1950.
É a ideia que tenho.
Cumpts.
De [s.n.] a 25 de Fevereiro de 2020
A versão dos 'amigos de Peniche' no tempo de D. António é a mais conhecida.
Lembro-me de ter ouvido falar, não me recordo a quem, na do tempo das invasões francesas. Parece que não se concretizou, ou por a Corte estar no Rio de Janeiro ou por Napoleão não se interessar com a conquista e divisão de Portugal. Até se dizia que Napoleão não veio a Portugal por não haver um bom palácio para se instalar.
Ainda nos anos 60, não posso precisar, via-se muitas vezes a Union Jack içada no elevador de Santa Justa.
De Bic Laranja a 25 de Fevereiro de 2020
Portugal está num cotovelo do mundo. Essa malta da Europa julga que isto é África. Napoleão quis a Rússia. Todos os alucinados querem a Rússia. O Hitler foi a mesma coisa.
O Brasil não estava nos Planos do Napoleão. Com não esteve a Louisiana, que vendeu, ou o Haiti, que descartou. Napoleão nem pensou vir a Portugal porque o seu mundo era para o lado de lá. Mesmo a Espanha não passou dum subúrbio com quem se dispôs a partilhar este cotovelo aqui.
Os ingleses são mais finos. Da posição portuguesa colhem desde o séc. XIV uma belíssima testa de ponte para uma geo-estratégia proveitosa que lhes poupa grande empenho de recursos. Alguém o soubesse entender.
Cumpts.
De Bic Laranja a 24 de Fevereiro de 2020
Ou melhor. Sim. Meteu-se esse naco no negócio. Cedeu decerto o D. António, por considerá-lo pedaço dispensável. Ao contrário da Índia.
Não sei se ensiná-los a navegar até lá sem se perderem na volta fazia parte do trato. — Assim a modos de formação incluída, como nas grandes aplicações informáticas que se agora vendem. — Em 1590 ainda o regime de ventos no Atlântico Sul era um mistério para esses anglicanos.

Comentar