Quinta-feira, 23 de Abril de 2015

Marcello Caetano em dia de S. Jorge...

« Quando te dava para brincar, eu ficava feliz, porque acreditava que a amargura do exílio te concedera algumas tréguas. Seria verdade? Pode ser no entanto que quisesses apenas ser amável comigo, desanuviando-me. No dia 23 de Abril de 1978 tu dataste desta forma a tua carta:

   Rio, dia de S. Jorge — Ogum na Umbanda, Oxóssi no Candomblé — Senhor do ferro e do fogo, e de tudo quanto é lume e metal! E, no vocativo, o meu nome era amigavelmente parodiado... Mas, depois deste exórdio divertido, não obstante algumas amabilidades pelo meio, o texto da tua carta era feito sobretudo de ironia amarga:

  Já estava estranhando a demora da carta devida, embora fosse recebendo com regularidade os periódicos em que se retratam as vicissitudes da tragicomédia do encravadíssimo regime que começou com cravos e agora não sabe como se desencravar. E a solicitude amiga da diligência e selecção informativa tem sido tão exemplar que até omitiu as folhas de que constou o andamento do famoso processo [*] em que eu, por ter cometido o grande e órrível crime de ser chefe de um governo constitucional, vou ser condenado (são favas contadas!) a 12 anos de prisão maior celular, com algemas nas mãos e grilhetas nos pés, sustentado a pão negro sem laranja, que esta era luxo dos presidiários no tempo em que o quarteirão era barato. Agora, pelo preço a que estão aí as laranjas, era o que faltava dá-las aos fascistas! Eu por mim até acho bem. Vou confessar tudo. Porque estou convicto do crime. Numa dada sociedade o delito é a infracção daquelas normas que são reputadas pelos legisladores como padrões do comportamento individual na vida de relação. Ora, na actual sociedade portuguesa, que modelo apontam os senhores da classe dominante? Eles assaltaram bancos, eu não. Eles andaram conspirando com os inimigos da sua Pátria, eu não. Eles entregaram de moto próprio, sem consulta nem licença de ninguém, a estrangeiros, grandes parcelas que a Constituição do País e a História e o consenso nacionais consideravam território português: eu não. Eles ordenaram às forças armadas que assistissem passivas à invasão das terras que tinham o dever de defender ao massacre das populações, à violação das mulheres, à pilhagem dos haveres dos colonos, à destruição de tudo o que recordava a civilização portuguesa de África, ao enxovalho da bandeira nacional eu não. Até mandaram ou permitiram que forças do exército português dessem aos adversários da véspera as armas que traziam, as fardas que vestiam, as botas que calçavam, para depois desfilarem gloriosamente em cuecas a caminho da terra natal: eu não. Eles tumultuaram a sociedade portuguesa, desfizeram hierarquias, anarquizaram empresas, arrasaram a economia, pararam obras públicas e deixaram arruinar infra-estruturas: eu não, Eles dilapidaram ouro e divisas: eu não. Eles percorrem o mundo de chapéu roto na mão a pedir uma esmolinha para matar a fome à moribunda democracia portuguesa: eu não. Eles comprometeram e de facto alienaram a independência de Portugal: eu não. Etc.., etc., etc.
 Ora,  se o meu comportamento é tão gritantemente divergente dos padrões normativos do regime que vos rege, sou ou não sou um grandessíssimo criminoso? Que ainda por cima aceitei governar um Estado cm que havia Polícia de Segurança Pública, Guarda Nacional Republicana, Polícia Judiciária, Pide...  Arre, que é demais! Como se numa época de ampla e franca permissividade fosse admissível tamanho aparelho repressivo para evitar e perseguir assassinos, ladrões, subversivos, traidores à Pátria, perturbadores da ordem pública... Mas, meu Deus, onde estava eu em Setembro de 1968 que não via que tudo isso atentava contra a sã moral que os terroristas tão galhardamente defendiam? Que falta de visão, a minha, ou melhor de previsão, porque qualquer pessoa com dois dedos de caco via logo que tudo aquilo era contra os direitos humanos (dos agressores, porque das vítimas, ou dos ameaçados de o serem, não reza a História) e que fatalmente em 1975 um Conselho cheio de autoridade moral, integrado por militares que nunca fizeram mal a uma mosca e de quem os inimigos em campo raso só tinham conhecido os traseiros, havia de, num rasgo de brilhante afirmação de Direito, declarar que quanto se passara nos 50 anos anteriores era crime!
  Não vou apresentar-me de corda ao pescoço numa atitude que ofuscaria o Egas Moniz, por respeito por esta nobre fìgura histórica, a quem Deus me livre de tirar o lugar. Aliás o D. Egas levou com ele a mulher e os filhinhos e eu sou viúvo e os meus filhos já são tão crescidos que desconfio que não estariam pelos ajustes de tomar parte na barracada. De modo que fico aguardando a acusação. Com o coração contrito e humilhado, como recomenda o salmo. Mas pouco fiado em que Deus se queira meter neste assunto que enche de ridículo quantos nele se disponham a participar...»

Maria Helena Prieto, A Porta de Marfim; Evocação de Marcello Caetano, Verbo, Lisboa/São Paulo, 1992, p. 92-93.

Livros (Marcello Caetano).jpg

 


[*] Julgamento. Não sabes que uma lei do Conselho da Revolução, de 1975, condenou todos quantos tivessem sido presidentes do conselho entre 1926 e 1974 à pena de 8 a 12 anos de prisão? E que há um mês pareceu-lhes que era melhor instaurar-me um processo, para ficar mais bonita a condenação que, assim, por lei, não tinha jeito? Não percebo bem a utilidade do processo, onde não posso provar que não fui Presidente do Conselho e não me chamo F. de tal... E, não podendo provar esses factos, a condenação é fatal. São uns brincalhões... (carta do Prof. Marcello Caetano à autora em 9/5/1978, in op. cit., p. 106).

Escrito com Bic Laranja às 08:55
Verbete | comentar
6 comentários:
De José Lima a 23 de Abril de 2015 às 16:34
Caro Bic

Soberba a forma como Marcello escrevia!

A despropósito, vejo a foto que publica e, se não é indiscrição, permita-me fazer-lhe uma pergunta: onde manda encadernar os seus livros?
De Bic Laranja a 24 de Abril de 2015 às 00:41
Sem dúvida.
Sra. Sofia, douradora, na Av. Guerra Junqueiro, 20 - c/v, em Lisboa.
Cumpts
De José Lima a 24 de Abril de 2015 às 10:10
Caro Bic

Agradecido pela pronta resposta: é sempre bom saber onde estão os mestres destas artes cada vez mais raras (o meu encadernador habitual, a roçar os oitenta anos, está com vontade de abandonar o mester).
De Bic Laranja a 24 de Abril de 2015 às 11:06
Profissão cada vez mais rara.
Cumpts. :)
De Bic Laranja a 24 de Abril de 2015 às 22:23
Corrijo a morada: Av. Guerra Junqueiro, n.º 20-A, c/v, e não n.º 20.
De José Lima a 25 de Abril de 2015 às 11:02
Caro Bic

Uma vez mais, agradecido pela atenção dispensada.

Comentar

Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____