8 comentários:
De José Luís a 16 de Junho de 2018
Excelente!
O comentário e a fotografia :)
De Bic Laranja a 16 de Junho de 2018
E´ justo que diga: do comentário, o (de)mérito é de matraquilhos e toda a jornalistagem sua veneradora atenta e obrigada; da fotografia, vai o crédito possível donde a achei.
Felicidade minha na conjugação. Generosidade sua no apreço, que agradeço.
Obrigado!
De [s.n.] a 17 de Junho de 2018
Essa sua fina ironia às vezes é dificil de discernir:)

e fico indecisa sem decidir se o título é um remoque da sua parte ou pelo contrário traduz sòmente uma correcta observação, sem mais, da imagem colhida.

Olhe que eu gostei da imagem que postou e do tempo em que foi colhida. Gosto do patriotismo detectado na postura dos elementos presentes, no que parece ter sido um empate(?) da nossa Selecção nesse ano. O mesmo empate (sofrido!) que ante-ontem aconteceu com a nossa Selecção.

Eu sei que não liga ao futebol..., contràriamente ao seu Pai que, segundo sei e honra lhe seja, era um grande sportiguista! Pois eu ligo o bastante, é verdade que não muito por ser mulher, mas todos os meus irmãos e uma irmã, a mais velha de todos nós, eram e são uns idefectíveis sportinguistas claro que por influência do Pai.

O nosso Pai inscreveu-nos como sócios deste grande Clube à medida que cada um de nós atingia os dois anos de idade, imagine?!

Como já lhe disse anteriormente, o Pai estudou em Coimbra desde os quatrro anos até à Universidade. E jogou lá no Académica. Teve como Tutor, desde pequenino à idade adulta, um acérrimo sportinguista, o Visconde de S. de F. - este Visconde tinha sido amigo íntimo do Visconde José de Alvalade, o mesmo que ajudou o seu querido neto, também José, a fundar o seu adorado Clube, como também já aqui escrevi - que lhe incutiu um imenso amor por este Clube, que por sua vez o transmitiu a todos os seus filhos. O nosso Pai ficava quase doente quando o seu Sporting perdia. A sério.

Depois desta 'linhagem' de sportinguistas ferrenhos, mais que não fosse, mas sobretudo pelo respeito que devo à memória do nosso Pai que, fosse ele vivo sentiria um desgosto enorme se os filhos se desligassem do seu adorado Clube, lhe dedico o carinho e a atenção, mínima é certo, que sem dúvida merece.

Sempre que posso não perco pelo menos o princípio e o fim de um jogo do Sporting por amor ao Clube. E tento estar em casa para ver a nossa Selecção aquando dos Mundiais e dos Olímpicos. É o nosso País que está a ser representado no relvado e isso para mim está acima de tudo.

E sabe uma coisa? Quando "os nossos" vencem e após o içar da nossa Bandeira se houve o Hino de Portugal, arrepio-me e só não deixo cair uma lágrima por pouco. Tal como alguns jogadores e muitos adeptos no meio do público.
Maria
De Bic Laranja a 17 de Junho de 2018
O nacionalismo (li alguém que escreveu há dias e está certo) foi autorizado por estes dias. Por causa da selecção cervejeira (eles grafam «seleção» por ultranacionalismo, talvez...)
Ainda no passado dia 10 de Junho estava o nacionalismo proibido censurado pela voz mais oficiosamente palradora do regime.
A imagem é formidável. A saudação é de truz e vai direitinha aos que sopram as tubas do nacionalismo cervejeiro. Cervejeiro e novo-banquense.
Tudo isto enjoa. Tudo isto dá asco.
Portugal acabou. Até o Sportem está a acabar.

Cumpts.
De [s.n.] a 17 de Junho de 2018
Não diga isso! Custa-me ouvir um tão terrível augúrio. O Sporting não acabou, lembre-se que ele já tem cento e tal anos d'existência. E Portugal muito menos. Eles, os velhacos que nos governam, por maldade e pura inveja tinham que dar cabo também do desporto "futebol", depois de o terem feito a 90% do território português e de terem estropiado a nossa língua-mãe estando presentemente num estado quase irreconhecível.

Nem um nem outro podem acabar. Primeiro irão acabar os traidores que deram cabo deste maravilhoso País tal como ele era. Deus não dorme e escreve direito por linhas tortas. Ainda cá estaremos todos, nós os verdadeiros patriotas, para assistir ao fim deste bando de corruptos, criminosos e traidores. Um a um todos eles irão ter o fim que merecem. Verá que vai ser assim.
Maria
De gty a 8 de Julho de 2018
O nacionalismo é uma ideologia e o patriotismo um sentimento, ou mescla de.
Interessante o cumprimento fascista, em 1945.
Sir Winston Churchill parece que ainda considerou mandar demitir Salazar, mas não tinha muita confiança nas alternativas.
Embora não sabendo lidar com a questão colonial, ainda assim o regime e Salazar recompuseram-se do susto e os anos 60 foram bons anos económicos.
De [s.n.] a 17 de Junho de 2018
Tantas gralhas, Deus meu. Leia-se "sportinguistas"; indefectíveis"; "ouve" em vez de houve, claro.
Maria
De [s.n.] a 26 de Junho de 2018
Dois jogadores não estão a fazer a "saudação". Esquecimento ou tomada de consciência?

Comentar