8 comentários:
De muja a 19 de Novembro de 2016
São os comissários.

http://www.egaliteetreconciliation.fr/Rappel-qui-est-Pierre-Moscovici-20931.html
De Bic Laranja a 19 de Novembro de 2016
São. São mais comissários do que mostram.
Cumpts.
De [s.n.] a 19 de Novembro de 2016
Ainda não fui ver esta ligação de Muja, mas vou fazê-lo já de seguida.

Só me ocorre uma pergunta que aqui vos faço e que já venho formulando de mim para comigo desde há muito tempo: o que é que este Moscovici e os outros hipócritas e cínicos, que na U.E. actuam segundo 'his master's voice' vinda do outro lado do Atlântico, dirão, quando a União Europeia se desmoronar e os países que a integram (agora menos a Grã Bretanha que em boa hora decidiu sair dela) retomarem as suas fronteiras primitivas e recuperarem a Identidade, Soberania e Independência perdidas? Sim, o que dirão então estes vendidos?
Maria
De Bic Laranja a 19 de Novembro de 2016
Arranjam outro tacho.
Cumpts.
De [s.n.] a 20 de Novembro de 2016
O percurso político, pessoal e profissional desde descarado e oportunista Pierre Moscovici, faz lembrar o dos auto-intitulados grandes democratas - que são pelo contrário e de facto grandes hipócritas, grandes mentirosos e grandes oportunistas - Durão Barroso, Fernando Rosas, Ferro Rodrigues, Manuel Alegre, a Mª. José Morgado, o falecido marido desta, o agora na berra António Domingues e mais um punhado doutros oportunistas da mesma igualha que se foram auto-promovendo na área política trepando a pouco e pouco e com uma esperteza saloia verdadeiramente digna dos maiores encómios, a escala social e política, conseguindo alcançar os lugares de chefia nos orgãos governativos e o mesmo na administração pública onde puxam todos os cordelinhos, sendo os próprios quem efectivamente nos rege, legislando e decretando as leis que nos obrigam a respeitar como povo. E como e onde iniciaram todos estes lacráus venenosos os caminhos tortuosos e malsãos que os ajudaram a atingir os seus fins, fins e que só têm vindo a atormentar este pobre povo que por ser crente e bom de nada tem desconfiado passados que são 42 anos desta pseudo democracia? Pois evidentemente que no MRPP. Objectivo primeiro e último que os seus membros mais influentes, uma vez atingida a idade adulta, iriam percorrer passo a passo ultrapassando todos os obstáculos que se lhes deparassem com o cinismo e a manha que lhes é intrínseca e, claro está, com a ajuda tão preciosa quão imprescindível dos amantíssimos dirigentes dos partidos da pretensa esquerda (que se auto-proclama 'moderada') socialista e de uma suposta direita que simultâneamente se auto-classifica como social democrata. E eis que passadas quatro décadas os mais proeminentes membros comunistas mais extremistas do espectro político nacional (e internacional) estão no lugar de mando longamente ambicionado desde que existe 'democracia' em Portugal. Exactamente os mesmos que desde há longuíssimo tempo vêem comandando as tropas por detrás do pano, tal como os compères fazem no Teatro ao sussurrar as "deixas" que os actores reproduzem para serem ouvidos por toda a plateia.

Este bando malquisto pode orgulhar-se de ter chegado a sua vez de ser dono absoluto do regime e do sistema. Os extremistas que por fim têm o poder nas mãos, seguiram o lema do povo (povo que eles odeiam de morte mas com quem por uma vez estão - como neste particular sempre estiveram - em perfeita sintonia) adoptando-o como seu e gabando-se malìgnamente deles próprios serem o exemplo acabado de "quem espera sempre alcança".
Esqueceram-se de outro lema que o povo com uma sabedoria de séculos igualmente profetiza "não há mal que sempre dure..."
Maria
De Bic Laranja a 21 de Novembro de 2016
Eu nem sabia nada desse Moscovici. Vendo a remissão deixada pelo leitor Muja, confesso, não me espanto. De tudo o que os nossos pulhíticos copiam do estrangeiro, não havia a pulhice de ser a primeira? Isto está de tal maneira que não há coisa que valha. Tudo mete nojo!
Desculpe-me o tom.
De [s.n.] a 26 de Novembro de 2016
Não tem nada que pedir desculpa e tem toda a razão. É exactamente como escreveu.
Maria
De Bic Laranja a 27 de Novembro de 2016

Comentar