Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2016

Onde fica a 1.ª Circular?

(Publicado originalmente em 16/I/16 ao meio-dia e vinte seis, revisto às quatro menos vinte da tarde e tornado a publicar em 28/I/16 porque a gente não lê.)

 

Pedro A. Santos, «Onde fica a 'primeira circular'», in O Diabo, 12/1/16 A lógica da 2.ª circular é análoga à da 3.ª idade -- conhece-se-a sem caso donde haja a(s) anterior(es).
 N' O Diabo desta semana (12/I/16) Pedro A. Santos põe, a propósito das obras farónicas dos socialistas e da que está na calha para a 2.ª Circular em Lisboa, a questão de «Onde fica a 'primeira circular'». Uma curiosidade a que responde com a conjectura que me também ocorreu há muito, fruto dalgum conhecimento da história da nossa cidade, mas que não é verdade. Associa ele a 1.ª circular à esquecida estrada de circunvalação de 1852 que de Alcântara, pela Rua Maria Pia, Marquês de Fronteira, S. Sebastião, Duque de Ávila, A. Cego, Visconde de Santarém, L. Leão, Morais Soares (Poço dos Mouros), Alto de S. João e Calçada das Lages (Afonso III), chegava à Cruz da Pedra, entre S.ª Apolónia e a Madre de Deus.
 Bom, a verdade é que a circunvalação de 1852 nada tem para a contagem da 2.ª Circular que hoje havemos e onde ùltimamente a vereação cismou em plantar árvores dê lá por onde der. A 2.ª Circular é fruto dos planos de urbanização e expansão de Lisboa do tempo do Estado Novo gizados pelo Eng.º Duarte Pacheco e ordenados num plano de avenidas radiais e circulares. O esquema é também conhecido por Plano Director de 1948 ou plano De Groer. As circulares, contadas do exterior para o interior, seriam:

  • a 1.ª, de Moscavide a Algés pelo N do aeroporto, Lumiar, Pontinha, Buraca e exterior do Monsanto.
  • a 2.ª, de que muito se fala, mas que poucos entendem cabalmente, pois que no plano De Groer ligaria o Cabo Ruivo a Pina Manique, entroncando aí na 1.ª; digo que poucos a entendem porque lhe chamam «circular» sem noção de que para sê-lo, a Av. do Marechal Gomes da Costa é parte integrante; em lugar disso chama muita gente (todos, tenho impressão) 2.ª Circular ao troço (radial) da Av. do Marechal Craveiro Lopes paralelo à Av. da Cidade do Porto.
  • a 3.ª, de Alcântara a Xabregas, pelo vale da ribeira (Av. de Ceuta), Sete Rios, Entrecampos, Av. E.U.A. e vale de Chelas;
  • a 4.ª, da Cruz da Pedra ao Areeiro pela Afonso III, Alto de S. João, Quinta das Olaias e dali pela João XXI, Av. de Berna e Av. Calouste Gulbenkian até entroncar na 3.ª e;
  • a 5.ª, a mais interior, pela Infante Santo, Estrela, Rato, Conde de Redondo, Anjos, Sapadores e St.ª Apolónia.

 O plano foi servindo como orientação e sendo adaptado amiúde conforme as circunstâncias até estar esquecido. Mas, como vemos, a circunvalação de 1852 nem considerada estava.

P.D.U.L. (De Groer, 1948)
Plano Director de Urbanização de Lisboa, 1948.
In Lisboa — Breve História dos Planos Urbanísticos.

Escrito com Bic Laranja às 21:26
Verbete | comentar
23 comentários:
De zazie a 16 de Janeiro de 2016 às 13:57
Que engraçado. Não fazia ideia.
De Bic Laranja a 16 de Janeiro de 2016 às 15:50
Pouca gente a faz.
Cumpts.
De ainda a 16 de Janeiro de 2016 às 23:10
Os fassistas sabiam muito bem como lidar com Lisboa.
Aliás os planos da CRIL ão dos anos 1940.

O parque florestal de monsanto foi feito para dar emprego durante a II GG. Um taxista, os meus melhores informadores, andou lá a plantar árvores. Disse-me que ao plantar um pinheiro recebia 1.00 escudo; o que dava para comprar duas galinhas e ainda sobrava.
De Bic Laranja a 18 de Janeiro de 2016 às 21:59
Pensavam as coisas. Faziam planos. Tinham método. Guiavam-se pelo interesse público.
Agora é tudo tretas!
Cumpts.
De MCV a 17 de Janeiro de 2016 às 12:58
A 1ª circular era a primeira parte da E.N. 6.
Hoje ninguém sabe onde começa e onde acaba a E.N. 6.
Nem marcos há.
Depois de alcançar Algés, era e é a Estrada Marginal, até Cascais.
Abraço
Manuel
De Inspector Jaap a 17 de Janeiro de 2016 às 15:06
Uma vantagem nítida do Porto: a sua estrada de circunvalação, EN 12, está perfeitamente definida e não há pois, equívocos do mesmo teor:é mesmo a 1ª circular :)
Cumpts
De Bic Laranja a 18 de Janeiro de 2016 às 20:58
Cuido que já vi o Cleto a dizer qualquer coisa dela. Estarei a fazer confusão?
Cumpts.
De Inspector Jaap a 20 de Janeiro de 2016 às 20:40
Cuido que não!
Cumpts
De Bic Laranja a 18 de Janeiro de 2016 às 19:36
Aprendi-o consigo. Antes n~so fazia ideia.
Não há marcos na marginal?! E na circunvalação (no que dela sobra), de Moscavide aAlgès, haverá?
Cumpts.
De Joe Bernard a 17 de Janeiro de 2016 às 20:12
Em Cascais há uma 3ª circular!!!
De Bic Laranja a 18 de Janeiro de 2016 às 19:37
E por lá, conhecem-se a 1.ª e a 2.ª ou é como em Lisboa?
Cumpts.
De Joe Bernard a 19 de Janeiro de 2016 às 19:32
Só há 3ª... LOL
De Bic Laranja a 19 de Janeiro de 2016 às 19:39
É como a 3.ª idade, então. :)
Cumpts.
De Real a 18 de Janeiro de 2016 às 15:04
Caro Bic

aproveitando o tema 2ª circular, gostaria se fosse possível que me satisfizesse uma curiosidade. A antiga carreira de eléctricos que ia até Carnide, em funcionamento salvo erro até 1972, passava na Estrada da Luz. A minha questão é a seguinte, o referido eléctrico passava no viaduto por baixo da 2ª Circular?
Antecipadamente grato.
De Bic Laranja a 18 de Janeiro de 2016 às 20:50
O viaduto da Estr. da Luz é de 1965, salvo erro. O eléctrico 13 foi extincto em 15/7/73. Necessàriamente há-de ter passado sob o viaducto.
Vi em tempos umas fotografias dessa obra mostrando que que o viaducto foi construído à margem do leito primitivo da Estrada da Luz, vindo a desviar essa serventia uma boa dezena de metros para Occidente.
Cumpts.
De Real a 19 de Janeiro de 2016 às 10:45
Muito bom dia caro Bic,

não imagina como fiquei contente por ter visto como era a "velha" Estrada da Luz. Mais uma vez o meu grande obrigado pela sua disponibilidade e simpatia. Deus lhe dê saúde para continuar esta obra.
De Bic Laranja a 19 de Janeiro de 2016 às 21:10
Boa noite! Obrigado eu, do seu interesse e generosidade.
Saúde, igualmente!
De [s.n.] a 29 de Janeiro de 2016 às 18:09
Boa tarde. Sou nova visita deste blog e devo dizer que o aprecio muitíssimo. O conhecimento demonstrados acerca de Lisboa é espantoso.
Deixo-lhe um pedido: para quando uma explicação e exploração dos Bairros Económicos mencionados neste plano director de 1948? Curiosamente hoje de económicos não têm nada, excepto talvez o do Caramão da Ajuda (e o que quererá dizer Caramão?.
Muito obrigada e um bom fim-de-semana.
De Bic Laranja a 29 de Janeiro de 2016 às 20:28
Bem-vindo(a)! Obrigado do apreço.
Caramão?... Será alcunha, de cara + mão, talvez...
Os bairros económicos são um bom mote. Lá iremos, sim.
Cumpts.
De [s.n.] a 29 de Janeiro de 2016 às 23:06
Desculpe sair um bocadinho do assunto, mas aquele que vou abordar é premente e não pode esperar.

O que vou contar já aconteceu há alguns anos em várias artérias nobres da cidade de Lisboa, ruas, avenidas e Largos e Matas, mas desde há pouco tempo a coisa está a tornar-se demasiadamente escandalosa, tratando-se de um crime público cujos autores que o permitem têm que prestar contas á Justiça. Para mal dos nossos pecados esta é a única entidade a que os portugueses podem recorrer e a que pode e deve zelar pelos seus direitos e no caso específico, dos lisboetas.

Umas amigas minhas contactaram-me escandalizadas com o que está a passar-se nalgumas ruas e estradas de Lisboa. Estão a abater árvores a torto e a direito, algumas centenárias, sem qualquer critério e/ou atenção aos anos que têm de vida. Há duas ruas cujas
árvores já trinta anos de vida. Haviam sido semeadas um tempo depois das anteriores, estas também com dezenas de anos, terem sido abatidas sem critério nem terem sido consultados os respectivos moradores ou sem a mínima preocupação quanto ao bem que faziam ao ambiente e, não menos importante, ao conforto que a sua sombra proporcionava aos passantes e principalmente às crianças e aos bebés que tanto delas beneficiavam e beneficiam.

Estamos perante crimes públicos e ambientais. Este desaforo requere que a população se insurja e exija que tão graves crimes sejam investigados e as a
árvores, algumas centenárias, que ainda restam em ruas e avenidas sejam preservadas e os criminosos da Câmara terminantemente proibidos de as abaterem.

A culpa deste despautério cabe inteirinho aos vereadores do respectivo pelouro da Câmara de Lisboa e consequentemente é esta que tem de prestar contas aos lisboetas. Poderá admitir-se que ruas de Lisboa fiquem completamente desnudas de sombra e sem a beleza e harmonia que aquelas proporcionam porque uns tantos traidores (sim, são tão traidores quanto os que nos destruíram a Pátria) resolvem andar a despovoar Lisboa, retirando-lhe conforto e beleza, por conivência com as fábricas de celulose, a troco de vários milhões de euros de cada vez que tais crimes acontecem?

Por favor, que alguém de direito investigue estes crimes sem perdão e os seus autores e que estes sejam responsabilizados pelos crimes praticados e que os seus autores sejam obrigados a devolver imediatamente ao traço original as ruas e avenidas repondo as árvores, brutal e vergonhosamente roubadas (ou o que resta delas, que com sorte recuperarão do criminoso corte, já que os ladrões e criminosos deixam sempre os cotos (para quê?, para as crianças e os idosos tropeçarem? ou para se limparem do crime cometido, como quem diz, 'vêem nós somos bonzinhos, não arrancámos a árvore pela raíz') com cerca de meio metro d'altura, que tanta falta fazem aos lugares donde foram subtraídas pela calada da noite - é sempre de noite que o crime é praticado, por medo da reacção violenta dos moradores, caso o façam de dia. Que os pulhas com responsabilidade política, que ousaram perpetrar um acto tão vil, sejam severamente punidos.

Que os jornais decentes deste país, que embora poucos ainda os há, abordem estes crimes e denunciem-nos em artigos de caixa alta. Este excelente e imperdível espaço blogosférico, que toda a gente lê e que em tão boa hora tantos crimes de lesa-urbanismo e públicos tem vido a denunciar, infelizmente não tem força de lei para o fazer, só e graças a Deus de frequentemente os denunciar. Mas outros a terão, pelo que repito, que estes crimes não fiquem IMPUNES. Exige-se uma tomada de acção com carácter de urgência para travar os actos ignóbeis de gente desprezível corrupta e reles que só pensa no bruto lucro, pela parte de quem tem autoridade e poder para o fazer. Isto, antes que sejam os moradores das artérias que têm vindo e continuam a ser esventradas, a fazer justiça de motu proprio ou, em última análise e se este problema indigno não for resolvido ràpidamente, com as próprias mãos.
Maria
De [s.n.] a 1 de Fevereiro de 2016 às 23:07
Já sei onde vão 'plantar' as árvores que estão a abater em ruas e avenidas por toda a Lisboa, elas vão direitinhas para a 2ª. Circular. Já vão prontinhas e bem desenvolvidas para lá continuarem a sua vida útil... Desde modo irão 'embelezar' a dita Circular sem grandes maçadas nem demoras e os responsáveis da Câmara, autores de uma tão fantástica ideia, na verdade tratar-se-á de uma 'obra gloriosa' que ficará para a posteridade e, atenção, com a assinatura de autênticos génios, vereador do urbanismo e engenheiros paisagísticos, respectivamente. E não será de admirar se estes chegarem a conquistar o Prémio Valmor, afinal este prémio é sempre atribuído aos amigos do peito. E todos ficarão muito contentinhos por terem contribuído para uma Circular toda engalanada com árvores resplandecentes. Há aqui porém algo nada despiciendo, todas elas foram roubadas.
Criminosos. Malditos sejam e Diabos os levem.
Maria
De Bic Laranja a 4 de Fevereiro de 2016 às 21:28
Já aqui falei do caso. É característica de saloios o atávico horror à árvore, bem o disse Raul Proença. Muita gente se insurgiu nos alvores do último Verão contra o vergonhoso desbaste das árvores na Guerra Junqueiro, no Jardim Constantino, na Cruz do Taboado. Houve notícias no Público. De nada adeanta. A cidade foi tomada por animalejos sem qualificação nem qualidade. E ainda não percebi bem a febre arbórea com a Circular a par da alucinada sanha podante nos jardins e ruas da cidade. Esta gente droga-se, só pode...
Cumpts.
De [s.n.] a 5 de Fevereiro de 2016 às 02:02
Exactamente. Eles devem estar em permanente estado de alucinação, deva-se isso a drogas ou a outra coisa ainda pior. Não sabia (ou já me esqueci, se por aqui o debatemos) que este crime tinha acontecido à Av. G. Junqueiro. Não passo lá há anos. Temos vindo a ser governados por uma cambada de pulhas, tanto a nível central como autárquico, é o que é. Como ladrões compulsivos e como tal identificados, já deviam ter sido há muito encarcerados.
Maria

Comentar

Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____