Domingo, 16 de Março de 2014

Os bacongos e a água benta internacional

   Quando, em Luanda, fizemos o balanço do trabalho [de dia 15], ficámos desanimados. Evacuáramos apenas 106 pessoas. Estimavam que teríamos 600 a 700 pessoas para evacuar...
   Foi então que os ensinamentos e experiência da ponte aérea de Leopoldville pesaram! Porque não utilizar a vila de Negage como utilizáramos Brazzaville? De Carmona ao Negage gastaríamos apenas 15 minutos de voo. Menos gasolina necessária, mais capacidade de carga, mais viagens por dia!
   [...]
   No segundo dia da ponte aérea [...] reparei que, a meio da fila para embarque, se mantinha a mesma pessoa. Reparei nela porque, ao contrário das cacarejantes mamãs em permanente actividade para manter junto a ninhada, ela estava só. lnstalado no posto de pilotagem, assisti à explicação de tão insólito caso. Logo que foi permitido o embarque, afastou-se ligeiramente da bicha, e foi dando a sua vez. Suspenso o embarque, voltou a ocupar o seu lugar na fila.
    No meio de toda aquela luta para embarcar, porquê aquela atitude?
   Antes do carregamento seguinte, perguntei ao agente da D.T.A. quem era aquela senhora.
    Disse-me o seu nome. Que era viúva e fugira de uma fazenda no Vale do Loge. Contou-me a história da senhora. A Senhora Só.
   Fora recolhida por uma patrulha das milícias de Carmona, numa mata já próximo da cidade, completamente esgotada, esfarrapada e suja, quase sem fala. Depois de muito instada, com bastante dificuldade, acabou por contar a sua tragédia.
   No dia 15, como usualmente, levantara-se para preparar o «mata-bicho» para o seu homem e seus dois filhos. Estes já tinham ido para o terreiro a fim de distribuir as tarefas pelos trabalhadores da fazenda.
   Repentinamente, ouviu gritos e enorme vozearia, e correu à porta. O marido estava caído no terreiro, cercado por um grupo de trabalhadores que, armados de catanas, o crivavam de golpes. Tentou gritar, mas a aflição embargou-lhe a voz. Agarrada à umbreira da porta, procurou os filhos. Rodeados por numeroso grupo de negros que os atacavam, viu-os, um a um, caírem banhados em sangue. Desesperada, ia correr em seu socorro quando se sentiu agarrada e arrastada para as traseiras da casa. Era a criada, uma rapariga negra que a ajudava na lide da casa e que com eles vivia desde garotita. constantemente recomendando: «Nhora não fala. Eles mata gente toda. Não fala...», foi por ela levada para a mata.
   Lembrava-se de, pela mão da criada, ter andado pela mata, fugindo da fazenda. Quando escureceu, dormiram abraçadas, escondidas no meio do matagal. Quando nasceu o dia, a rapariga, depois de lhe recomendar que evitasse as «picadas» e seguisse sempre em frente pois acabaria por encontrar «gente de branco», desapareceu. Parece que na direcção da fazenda.
    Não se lembrava de mais nada. Que não, não tivera fome nem sede. Mas estava muito cansada...
   Andara mais de dois dias pela mata, descalça, porque perdera as chinelas que usava em casa, sem comer nem beber.
   Nem chorar conseguia...
   Fui buscá-la. Dei-lhe o braço e, saíndo da fila, levei-a para bordo. Vagarosamente, pois andava com dificuldade. Não reagiu, nem disse fosse o que fosse. O seu rosto parado e o alheamento não se alterou. Quando muito, teve um vago movimento de ombros, como que de resignação. Tanto se lhe dava...
   Não houve o mais pequeno protesto de toda aquela gente, apenas um opressivo silêncio. De respeito, pareceu-me. Sabiam, ou adivinhavam, que estavam perante algo de mais trágico que as suas próprias tragédias.

Eduardo Alexandre Viegas Ferreira de Almeida, «15 de Março de 1961», Quarenta Anos de Aviação, Martins & Irmão (impressor), 1995, pp. 219-220.

---  //  ---

 

Selvagens da U.P.A., Congo, 1961    Cabeças de bailundos, Uíje, 1961
«Heróis» bacongos (esq.) e cabeças de bailundos, (dir.) Angola, 1961.

Escrito com Bic Laranja às 23:51
Verbete | comentar
20 comentários:
De M.Martins a 19 de Março de 2014
Fui tropa na Carregueira no comèço dos anos 60,fui vêr os meus companheiros a partir para Africa.No regréso alguns que como eu viviam no mêsmo bairro contáram-me os horrores cometidos,eu tive sorte de não ter ido!Portugal não entrou na 2 guerra mundial,e rico como èra os seus filhos viviam numa pobrêza terrivel;os que tem duvidas è verem como viviam os que moravam nas cavérnas na serra de Monsanto nos arredores de Lisboa.È longo comtar a historia ,só que nos fins dos anos 80 estive a trabalhar nos Camarões em Africa ,e quando soubéram que eu éra d'origem Portuguêsa os Camaronêses me comtaram as chacinas feitas pêlos meus conterraneos,que éram as mêsmas contadas pêlos meus companheiros do mesmo bairro.Depois de 36 anos que brinco com o ordinator e não è nada "fun" o que encontro;nēsse momento em Portugal so havia o Sapo em Aveiro e o AEIOU.Por isso os jovens dos anos fim 60/prencipio 70 não sabem nem un quarto da historia.Talvês seja melhor assim?
De mujahedin a 19 de Março de 2014
Que chacinas foram essas de que lhe deram conhecimento?

Onde e quando se passaram?

De [s.n.] a 19 de Março de 2014
Que horror. O que se vê na imagem da direita traduz tanta malvadez que nem consigo olhar para ela mais do que uma fracção de segundo. Realmente o ser humano é capaz de praticar as acções mais sublimes, quase Divinas, como igualmente o é dos actos mais cruéis e desumanos sòmente concebíveis por mentes gravemente afectadas por doença do foro psicossomático ou possuídas pelo espírito do Diabo. Ou ambos.
Maria
De Bic Laranja a 20 de Março de 2014
Sim. E há-de ser a imagem mais odiosa que aqui publiquei.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 20 de Março de 2014
Isto é só porque não viu as fotos do livro por mim mencionado antes; acredite, caro Bic, que eram piores.
Cumpts
De Bic Laranja a 22 de Março de 2014
Claro que há documentos piores. Aqui, o que está é mais que suficiente.
Cumpts.
De tron a 19 de Março de 2014
Na minha vida li e ouvi tanta coisa sobre a guerra do Ultramar que por vezes penso quem era pior: os portugueses ou os nativos
De mujahedin a 19 de Março de 2014
Pense, mas não se engane.

O que aqui se mostra não é senão uma pequena, ínfima, amostra.

Nem faz sentido falar em nativos. Nativos eram muitos, brancos e pretos. Havia, isso sim, tribos. Particularmente as da zona do Congo que eram hostis aos brancos como aos pretos das tribos do Sul; tribos às quais pertenciam, muito provavelmente, os donos das cabeças que aí vê expostas.

Quanto a chacinas e atrocidades da parte portuguesa, pois hão-de ter havido muitas, em tantos séculos que lá estiveram. De 61 em diante? Tenho dúvidas que tivesse havido mais do que episódios pontuais e pessoais, e desafio seja quem for a provar o contrário. Particularmente depois de se implantar o dispositivo militar nas zonas afectadas e controladas as represálias e vinganças que, com certeza, as gentes que sobreviveram não deixaram de infligir aos bárbaros assassinos que puderam apanhar.


De tron a 21 de Março de 2014
eu estava a falar das atrocidades pós-1961 como o caso do ataque dos portugueses aos muqueques (acho que é assim que se escreve) de Angola e aos massacres feitos pelos separatistas da UPA nas fazendas que eram de portugueses, entre outras e as atrocidades portugueses antes 61, nem é preciso pesquisar muito; basta ver as chamadas missões de pacificação pós- tratado de Berlim
De Bic Laranja a 22 de Março de 2014
Tron, selvajaria como a que Holden Roberto se vangloriou é de requinte antropológico raro em gente colonizada. No entanto o odioso recai sempre na colonização, ou seja nos portugueses. Tudo o resto é abafado.
Cumpts.
De tron a 23 de Março de 2014
E é mesmo neste tipo de atrocidades que eu falava e além dos casos conhecidos como os massacres feitos pela UPA também existem os massacres feitos por tropas especiais ou "irregulares" de origem portuguesa e quem eram os mais violentos eram os próprios negros que faziam coisas que ainda eram piores que os americanos no Vietname
De anonimo a 22 de Março de 2014
Desculpará, mas fotografias daquele teor num "blog" podem ser interpretadas como de muito pouco gosto e senso.
De Bic Laranja a 22 de Março de 2014
São documentos. Fotografia (no sentido do gosto que o seu comentário refere) é outra coisa.
Quanto ao senso, é como queira.
Cumpts.
De anonimo a 22 de Março de 2014
O facto de serem documentos não os torna publicáveis - e de uma forma imediatamente acessível para quem aqui entre.
De Bic Laranja a 23 de Março de 2014
Há-de fazer o favor de indicar o seu contacto para de futuro submeter eu o conteúdo a publicar ao seu exame prévio.
Muito grato!
De [s.n.] a 24 de Março de 2014
Onde pára o meu pequeníssimo comentário enviado ontem a propósito desta sua ironia impagável?...
De Bic Laranja a 24 de Março de 2014
Quere lá ver!... Perdeu-se no exame prévio.
Cumpts.
De [s.n.] a 26 de Março de 2014
Ahahahahah!
Fartei-me de rir com a sua ironia requintada e de cada vez que ao longo do dia me vem à memória a sua resposta rebuscada não consigo conter uma pequena gargalhada.
Maria
De Marcos Pinho de Escobar a 24 de Março de 2014
Mas o que interessa é que agora, sob as botas do Mêpêlá, o tal bando de terroristas marxistas e ladrões, o povo vai muito bem e recomenda-se. A comer lixo e a tomar água dos esgotos, enquanto a cleptocracia passeia-se por Lisboa e Cascais em Ferraris e Bentleys, a comprar o pouco que resta de Portugal com o dinheiro roubado aos portugueses, nesta grande liquidação nacional. Sem o 25 da abrilice nada disso teria sido possível. Para o mês vão comemorar à grande e à francesa.
Um abraço, Caro Bic.
De Bic Laranja a 25 de Março de 2014
Sim. Mas ela já para aí anda, a babugem abrileira. Uma felicidade!...
Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____