Segunda-feira, 19 de Setembro de 2016

Os perdigotos

 Disse «ingerência» sobre o anúncio dos 120 anos de Azeredo Perdigão, mas o que  emissora nacional cuspiu esta manhã foi «interferência». É fácil recordá-lo porque os perdigotos aos microfones da radiodifusão mais não foram do que a arenga do Minipreço enciclopédico dos nossos dias:

 Azeredo Perdigão não queria a interferência de Salazar na fundação e consegui essa independência, pois o Presidente do Conselho, que não gostava das suas opiniões políticas, também não duvidava do seu patriotismo e acreditava que ele defendia os interesses nacionais.
José de Azeredo Perdigão. In: Wikipaedia, a enciclopédia livre [na rede] (*). Florida: Wikime(r)dia Foundation, 2016, rev. 17/VI/2016. [Consult. 19/IX/16.]

 Não é preciso ser bedu para catar o recado: distância de Salazar e sua rendição necessária e incondicional às insofismáveis qualidades dum herói. É esta ordem de discurso que apascenta me(r)diàticamente as mentes livres (porque vazias) que depois enchem o aviário democrático. Os evangelistas desta catequese, se não forem ignorantes nem indigentes de todo hão-de ter lido um catecismo para eles insuspeito como Dicionário do Estado Novo dirigido pelo ilustre Fernando Rosas. E lá vem, preto no branco:

 Trabalha [Azeredo Perdigão] na redacção dos estatutos da Fundação com Marcello Caetano e Salazar. Por sugestão deste último, aceita presidir ao conselho de administração da Fundação Calouste Gulbenkian [...] Para além duma gestão financeira coroada de êxito, revelou-se extremamente hábil em resguardar a Fundação de interferências [cá está, mas...] do governo, para o que terá contribuído o seu relacionamento cordial com Salazar, bem como o apoio que expressou à política ultramarina do regime [...]
Pedro Aires Oliveira, «Perdigão, José Henrique de Azeredo», in Dicionário do Estado Novo, v. II, Venda Nova, Bertrand, 1996, pp. 714-715.

 Pois, mas nem com tão jeitoso catecismo. A livre e democrática censura procura omitir habilidosamente desde logo: 1) a acção do Presidente do Conselho e do Ministro da Presidência, nem mais; 2) cordialidade com Salazar e; 3) apoio à politica ultramarina. Qualquer delas desfaz um herói, por isso as calam. Como calam que foi Caeiro da Matta, ministro plenipotenciário de Portugal em Vichy, quem indicou o advogado Azeredo Perdigão a Calouste Gulbenkian logo em 1942, quando se soube que desejava ele instalar-se em Portugal. O ministro dos Estrangeiros era o próprio dr. Salazar...

 Azeredo Perdigão bem dispensaria ser recordado nos seus 120 anos às cavalitas dum frouxo resguardar a Fundação de interferências dum, afinal (mas este pormenor é sempre omitido), cordial Presidente do Conselho, cuja política ultramarina até apoiava. Como também teria dispensado (nova omissão) ser, ao depois de Abril e no fim da vida, rebaixado e afastado por lutas internas da presidência que aceitara por sugestão de Salazar (cf. Dic. cit. e v. sobretudo Marcello Caetano, Minhas Memórias de Salazar, 4.ª ed., Verbo, Lisboa, 2000, pp. 660-662 para melhor informação histórica).

 É das tais histórias antigas, borrifadas agora de interferências, com que nos empastelam certos perdigotos em frequência modulada.

Perdigão e Salazar.jpg
Azeredo Perdigão e Salazar,
[s.d.]
Arquivo da Gulbenkian, apud Observador.

________
(*) Enciclopédia livre na rede é bem caçada. Mas é que é mesmo.
(Revisto em 20 à uma e meia da tarde.)

Escrito com Bic Laranja às 23:25
Verbete | comentar
7 comentários:
De muja a 20 de Setembro de 2016
Têm medo que se pelam da verdade.

De Bic Laranja a 20 de Setembro de 2016
Verdadeiro terror.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 21 de Setembro de 2016
Esta rapaziada é especialista em fazer heróis a partir do nada, assim uma espécie de criadores de fogos-fátuos, o produto natural do pântano em que vegetam toda a sua miserável vidinha, a lambuzarem-se à nossa conta, no estatal gamelo que é preciso merecer; daí que digam qualquer coisa que se lhes ordene, sem qualquer sentido crítico.
E quanto a heróis, é só ver este grande anti-faxista do Azeredo que pôs, ao que parece, o Dr. Salazar em sentido, na esteira dum Aristides, funcionário menor dos N.E. e, de repente promovido a herói de pacotilha; um dia destes será o morte(água) ou qualquer gente desse jaez; é esperar para ver.
De facto tinha o mestre Maistre mais do que razão:
- Cada povo só tem os merdi@ que merece.
Cumpts
De Bic Laranja a 22 de Setembro de 2016
Pior. Não ouvi há tempo a Flunser incensando exilados e desertores?!...
O antifascismo é mama de ricos dividendos. Mesmo 42 anos depois. Com o dinheiro dos impostos. A História que se dane: a formidável História de Portugal do Mattoso (Círculo de Leitores, 1993, 8 vols. encadernação de luxo, miolo em papel couché, lindos de adornar estantes), no vol. que dedicam ao Estado Novo referem uma única vez a Azeredo Perdigão, como apoiante do M.U.D.; sobre o/a Gulbenkian nem pio — o mérito dela calha a quem sabemos... Em 93 ainda havia pudor em mentir opondo Perdigão a Salazar no assunto da Gulbenkian; daí a omissão; hoje campeia a mentira desavergonhada, como vê.
Cumpts.
De [s.n.] a 21 de Setembro de 2016
Acho impossível hoje em dia ler ou escutar uma voz isenta que fale do Estado Novo ou do Prof. O. Salazar nos órgãos de comunicação social. Também não deve ser tarefa fácil fazer o mesmo em frequência de mestrado ou doutoramento em História nas diferentes universidades do nosso país (pense-se na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova, por exemplo). A história é sempre escrita pelos vencedores, já se sabe, mas o que vale é que tem uma memória muito longa e talvez um dia se possa abordar estes assuntos com mais seriedade.
De Bic Laranja a 22 de Setembro de 2016
Alguém que se descaia na isenção (mera isenção fugaz, não incensão), nos me(r)dia, cai em desgraça.
Chamem-lhe democracia.
Nas quintarolas cá do burgo, mormente nesse antro que nomeia, quem não maquilhe Salazar com sombra PIDE ou base fâchista dão-lhe o arroz; licencia-se pelos mínimos para cínica humilhação. — Filipe Ribeiro de Meneses biografou Salazar com rédea solta porque não vegeta por cá. Pastasse ele por aí e a conversa era outra.
Chamem-lhe liberdade.
A História tem memória longa, mas também sofre muita amnésia. D. Miguel ainda é o absolutista hoje enquanto o chamorro D. Pedro reina libèrrimamente no Rossio de Lisboa e na Praça da Liberdade no Porto. Confronte a semântica dos termos que vulgarmente apomos a um e a outro e veja como a História fica assimilada.

Cumpts.
De [s.n.] a 23 de Setembro de 2016
Tem razão no que diz É triste mas é verdade.Vendem-se chavões e todos acorrem a comprar. E paga-se bem caro por eles.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____