Domingo, 7 de Junho de 2015

O Palácio da Praia e as bexigas doidas da política

O Palácio Praia; sede nacional do Partido Socialista, [s.n.], [s.l.], 2009, p. 16.

  Procurou-me há dias uma estimada leitora do palácio em que se instalou o Partido Socialista, ao Rato. Pois trata-se do antigo palácio do Marquês da Praia que ocupa o topo norte do Largo do Rato, entre a Rua das Amoreiras e a antiga Calçada da Fábrica da Louça, crismada em Calçada Bento da Rocha Cabral por edital da Câmara de (nem de propósito!) 7 de Junho de 1924.
 Segundo Norberto de Araújo (Peregrinações em Lisboa, Liv. XI)...

 Foi construído o Palácio do Rato cêrca de 1784 por um Luiz José de Brito, contador do Real Erário, sôbre chão de casas e quintais pertencentes à famosa fábrica da louça do Rato; no comêço de oitocentos era da viúva Brito, andou depois alugado, e foi mais tarde comprado pelo Barão de Quintela, do qual passou por herança ao Conde da Cunha e dêste ao Marquês de Viana, que já o possuía em 1828, e cuja espôsa era neta do Barão de Quintela.
 Em 1876 o palácio foi vendido ao visconde de Monforte, Luiz Coutinho de Albergaria Freire, dêste passou a sua sobrinha, D. Maria José, que casou com o conde da Praia, depois Marquês, António Borges Dias da Câmara e Sousa; dêste transitou a seus filhos, 2.º Marquês da Praia e Monforte, D. Duarte, e Condessa de Cuba [...]

 Interrompo aqui a peregrinação de Norberto de Araújo por deixar Trindade Coelho contar um episódio curioso deste 2.º Marquês, Duarte Praia, e por mostrar que as bexigas doidas da  política deram na história deste palácio ainda se não esfumara nas crónicas sociais lisboetas a opulência dos bailes dos marqueses de Viana, anteriores donos a ombrear com as faustosas festas dos condes de Farrobo, de Penafiel, do Carvalhal  e muito antes do famigerado caso da capela do Rato ou da sua posterior passagem à posse do bando político do P.S.

Antonio Horta (Alte), Duarte Praia (marquês da Praia), Antonio Lagoaça (conde de Lagoaça), in Nivel Academico, p. 3, apud Trindade Coelho, «In Illo Tempore», Aillaud, Paris-Lisboa, 1902, p. 141.  Quando morreu em Lisboa o rei D. Fernando [15/12/1885], alguns rapazes de Coimbra lembraram-se de ir á capital em commissão, a representar a Academia nos funeraes regios ! Ora precisamente n'esse anno, começavam a grassar pela rapaziada, lá em Coimbra, as bexigas doidas da politica, e as bexigas atacavam de preferencia os quartannistas — que são bachareis... em flôr!
 Como os feriadinhos estavam certos, e isso é que importava, a Academia nem sequer pensou em mandar
japonezes aos funeraes! Mas sempre houve tres que quizeram ir; — o Antonio Lagoaça, agora conde de Lagoaça e par do reino; o Duarte Praia, agora Marquez da Praia; e então o Antonio Alte, que andou pelo Brazil uns poucos d'annos, secretario de legação: — todos tres lisboetas da gemma!
 Por meio de bilhetinhos passados na aula, os tres lá arranjaram no Theatro Academico uma especie de assembleia a que chamaram geral, mas que não passou, em verdade, de particularissima; deram-se por nomeados para representar a Academia nos funeraes; e quando a briosa soube da historia, já iam todos caminho de Lisboa, muito satisfeitos!
 Ora a
pirraça poderia talvez passar, feita por outros! Mas feita por aquelles tres, era imperdoavel! Pertenciam todos á primeira ala dos polainudos, chamados assim porque faziam da polaina um chic, e acho que uma fidalguia, — e os polainudos, embora bons rapazes como aquelles tres, eram, como collectividade, quasi odiados! Aquelles bem o sabiam; e bem sabiam, também, que especie de diploma levavam na mala, a acreditál-os como enviados da Academia...
 Por isso, e prevendo tempestade na sua ausencia, entenderam-se antes de partir com o Antonio Cabral, que andava então no 5.º anno e tinha a sua influencia na rapaziada, — e pediram-lhe que se estalasse tempestade na ausencia d'elles, fizesse por a amainar.
 Prometteu o Antonio Cabral o que lhe pediam, — e os tres lá partiram emfim para Lisboa, representantes da Academia!
 Mas a tempestade não tardou a desencadear-se, e desencadeou-se furiosamente! Um
Aviso pegado nas portas do Club Academico chamava a Academia, offendida nos seus brios, a uma assembleia geral, com o fim de protestar contra os « usurpadores » !
 Andou o Antonio Cabral em bolandas, para ter mão no chinfrim [&c. &c.]

Trindade Coelho, In Illo Tempore; estudantes, lentes e futricas, Aillaud, 1902, pp. 121, ss.

 A usurpação como prática política baixa dos possidónios do palácio da Praia vem, pois, de longe...

 O palácio esteve dividido por partilhas entre os herdeiros do Marquês da Praia e era habitado por eles quando o autor das Peregrinações por lá passou em 1939, até que o 4.º Marquês, Borges Coutinho, o cedeu, arrendou e vendeu ao bando do P.S.

 Em 1977 era este o estado em que o arrendatário o exibia. O senhorio não devia estar para obras, mas os inqulinos não se perderam por ensaiar ornamentação na fachada... Ao depois de o comprarem lá o compuseram e ainda bem. Não sei se lhe não puseram até um daqueles avisos proibido afixar anúncios nesta propriedade, não venham de lá os esquerdóides democràticamente borrar o rico palácio de propaganda panfletária ou com esses acarinhados sucedâneos das Belas-Artes ditos arte urbana.

Palácio da Praia, Rato (Vasques, 1977)
Palácio da Praia, Rato, 1977.
Vasques, in archivo photographico da C.M.L.

 


Pormenores do palácio in O Palácio Praia; sede nacional do Partido Socialista, [s.n.], [s.l.], 2009, p. 16.
Representação de Antonio Horta (Alte), Duarte Praia (marquês da Praia), Antonio Lagoaça (conde de Lagoaça), in Nivel Academico, apud Trindade Coelho, In Illo Tempore, Aillaud, Paris-Lisboa, 1902, p. 141.

Escrito com Bic Laranja às 16:09
Verbete | comentar
15 comentários:
De [s.n.] a 9 de Junho de 2015
Muito agradecida:)

Olhe, já li os dados todos sobre a origem do Palácio e os seus primeiros donos e vou reler tudo outra vez. Gostei imenso. Ainda não fui ver os interiores (estive fora o dia todo) que creio estarem reproduzidos em fotografia numa das ligações que deixou. As seis que colocou são realmente deslumbrantes. Digamos que é um autêntico desperdício (para ser suave na adjectivação) estar alojada naquele sumptuoso edifício uma trupe tão desalmada.

Segundo li e achei curiosíssimo, naquele exacto lugar, antes da construção do dito, esteve situada a Fábrica Rato, de facto só é natural que tivesse sido esse o nome adoptado dado o local que lhe deu origem. Tenho uma amiga que colecciona estas faianças e tem uma colecção preciosa. Cada prato custa presentemente pra cima de um dinheirão.

Vou dar uma boa vista d'olhos pelas ligações que ainda não tive tempo de ver e depois dou-lhe a minha opinião.
Maria
De Bic Laranja a 11 de Junho de 2015
Obrigado eu!
Pode passar a primeira meia dúzia de páginas do livreco para onde remeto. Aquilo é da lavra dos donos da toca do Rato e a conversa é panfletária, não interessa nada à história do palácio.
:)
Cumpts.
De [s.n.] a 12 de Junho de 2015
Acabei de ler esta sua dica. Não encontrei o que refere na pesquisa que fiz ontem e hoje. Mas não vou perder. Fica para amanhã.
Maria
De [s.n.] a 12 de Junho de 2015
Esqueci-me d'acrescentar (num comentário enviado há pouco mas ainda não aparecido) que a fachada do Palácio, na altura da foto reproduzida, estava um verdadeiro nojo, para dizer o mínimo. E até, pelos vistos, por antecipação já o consideravam seu... - repare-se nos cartazes do aludido partido pespegados às centenas de uma ponta à outra da fachada. Mas também tudo qauilo era natural, por esta altura do maravilhoso novo regime já nos encontrávamos em pleno PREC e toda a sujeira produzida com que os seus integrantes emporcalhavam a cidade inteira e mesmo o País, fazia parte da tal 'liberdade' com que os chamados revolucionários nos presentearam e aquela bandalheira e mais que houvesse, não só era permitida aos extremistas de todos os matizes, como até era incentivada e, claro, tudo feito em honra da democracia e da pseudo-revolução.
Maria
De [s.n.] a 12 de Junho de 2015
Onde foi parar o meu comentário que precedeu o (meu) último?... Quando estava a tentar enviá-lo só me apareceu aquela informação a dizer que o mesmo havia sido recebido e que o proprietário do blogue tinha resolvido anotar todos os IP's... Mistérios do Sapo?
:)Maria
De [s.n.] a 14 de Junho de 2015
Desconfio que o tal comentário que enviei e não apareceu (e será que nunca mais?), deve-se essencialmente às minhas observações quanto à pseudo-aquisição do Palácio ou, o que se deduz da respectiva leitura mas estranhamente omitido nas informações a ele relativas, à sua cedência temporária(?) pelo seu último dono, Pedro Holstein Beck, o que é mais do que certo. Teci outras considerações, como por exemplo, sendo a zona nascente e a Capela (esta, doada pela sua última proprietária à C.M.L.) de um dono diferente do da zona poente, será que o partido socialista que nele se instalou em 1975, chamou a si a totalidade do edifício, já que parece estar por ele completamente ocupado?

E outra coisa. Durante o PREC (período negro da nossa História recente que se prolongou por muitos mais anos do que os oficialmente tidos como tal, pelo menos até ao ano de 1977 e diria bastantes mais. Referi em comentário anterior "1977 estávamos em pleno PREC", porém cabe-me rectificar, "1977, ano em que continuávamos imersos nele", nesta altura a fachada do Palácio estava coberta de uma ponta à outra de cartazes do partido socialista, conforme se pode ver na foto reproduzida. O que se pergunta é: precisamente porque o estavam, será que este partido antes de 77, ano em que o Palácio passou para as suas mãos (sem mais informação), o partido já o considerava como seu??? A pergunta põe-se porque era impensável que o Duque, seu dono na altura, no seu perfeito juízo, tivesse permitido que o conspurcassem daquele modo tão indecente e mesmo criminoso, porque atentatório dos direitos legais que assistem à propriedade privada...., isto, a menos que o edifício já lhes pertencesse por 'oferta' do Duque (pressionado? talvez, chantageado?), por promessa antiga (amizade entre Soares e D. Pedro?... muito duvidoso), porque já o tivessem debaixo d'olho (para a esquerda marxista-leninista, muito amiguinha dos pobrezinhos, só a sumptuosidade dos palácios lhes interessa, seja para sede de partido seja para sua própria residência) para daí a nada lhe chamarem um figo apoderando-se dele à má fila..., ou simplesmente ocupando-o através dos revolucionários que andavam entretidos a ocupar palácios, palacetes (Embaixada do México, para dar um só exemplo mas houve carradas deles), moradias e residências de luxo e milhares de etceteras, tudo feito com o beneplácito dos grandes democratas que nos vieram libertar da 'tenebrosa ditadura' com o objectivo gizado com dezenas d'anos de anterioridade, de terem campo livre para poderem praticar toda a espécie de ladroagem e criminalidade de sangue e económica de que só poderá haver termo de comparação possível com o que se passou na primeira República de que os mafiosos desta terceira são os seus descendentes directos, abnegados e prestimosos sucessores.

É muito capaz de ter acontecido esta última hipótese, isto porque todos sabemos perfeitamente do que a casa gasta.
Maria
De [s.n.] a 14 de Junho de 2015
Leia-se: "... que nele se instalou em 1977..."

"... período negro da nossa História recente)..." - fecha-se o parêntesis.

"... diria bastantes mais, (aqui é vírgula e não ponto parágrafo) conforme referi em comentário anterior..."

Maria
De Bic Laranja a 14 de Junho de 2015
Dão-se bem em ambientes luxuosos e requintados embora para fora projectem democràticamente o lixo panfletário.

Não sei como se enfiou o P.S. naquela toca. Não me admirava que o tivessem ocupado, mas admito que Borges Coutinho o tenha cedido em 75, considerando o conhecido caso da capela do Rato. Não lhe imagino as motivações. Dizem que o compraram em 86; deve ter sido aos herdeiros pois Borges Coutinho finou-se em 1981.

Não percebi a sua referencia aos Palmelas. Estão ligados aos Praias Monfortes?

Cumpts.

De [s.n.] a 16 de Junho de 2015
"Dizem que o compraram em 86; deve ter sido aos herdeiros pois Borges Coutinho finou-se em 1981.

"Não percebi a sua referencia aos Palmelas. Estão ligados aos Praias Monfortes?"

Quanto ao que diz no parágrafo acima, quer-me cá parecer que a compra (se é que a houve...) foi com os milhões roubados ao erário público e/ou ao ouro e divisas do Banco de Portugal (não foi logo nestes primeiros anos de 'democracia' que se perpetrou o escandaloso assalto da esquerda unida (a tal que se auto-intitula democrática, mas pouco!) às toneladas de ouro e de outras tantas divisas pertença absoluta do Estado Português e por inerência do seu Povo?..., então?!). Sabe-se que houve um roubo escandaloso e impune e sabe-se quem o praticou. E esta gente não compra coisa alguma para se instalar, limita-se a usurpar, roubar ou a ocupar violentamente tudo o que por cobiça lhe aguce o apetite, sem pedir autorização a quem quer que seja e com o maior dos descaros, como se tudo aquilo a que quisesse deitar as manápulas sujas lhe pertencesse por direito próprio.

Quanto ao parágrafo seguinte, encontrei essa informação que me pede num portal qualquer sobre os proprietários da ala poente, que ainda o eram em 1974/75, após alguma pesquisa extra que fiz sobre o Palácio. Não me lembro exactamente qual, mas irei à procura e depois informá-lo-ei.
Maria
De [s.n.] a 20 de Junho de 2015
Sobre o que lhe prometi, estive ontem mais de duas horas a pesquisar sobre o dito Palácio e respectivos (ex)donos. Há muita informação apagada e muita outra intencionalmente ocultada. Mas não desisti, vou pesquisar mais um bom bocado até a encontrar. Que eu li essa informação sobre Pedro Sousa Holstein Beck, isso é um facto assente. Espero que não tenha entretanto desaparecido. Aqui há semanas largas podia ler-se em dois ou três portais que o Palácio tinha ido parar ao partido socialista em 1977..., sem mais informação! Agora já vem escrito num destes portais que o dito partido o tinha adquirido..., mas a quem e por que preço, nada de nada! Pois.

No geneall.net estive ontem a ler uma série de perguntas e respostas (e agora mesmo, outras tantas) de leitores ou associados. A dada altura há um leitor que repete uma pergunta sobre este Palácio. Deduz-se que já a havia formulado anteriormente, não obtendo resposta. Não consegui localizar essa primeira pergunta.

Uma informação algo insólita que li, já vão vários dias, num destes sítios, é que a fabulosa colecção de pinturas de D. Pedro está guardada numa ala deste Palácio e se bem me lembro, num piso superior... (ala nascente, ala poente?). Uma coincidência tão curiosa quanto estranha. Para dizer o mínimo.

Vou continuar à procura do que lhe falei.
Maria
De Bic Laranja a 20 de Junho de 2015
Essa informação desaparecida há-de ter que se lhe diga.
Vamos a ver o que se descobre.
Obrigado.
De Bic Laranja a 13 de Junho de 2015
Não recebi mais comentários... Também já não tenho moderação de comentários activa. Não sei que se passou.
Lamento.

A porcaria da fachada era o modo democrático do P.R.E.C. e perdura. Se Deus fez paredes, taludes, tapumes, muros, o que seja, foi para a esquerda militante chapar a sua propaganda panfletária. -- A bem da verdade já vigorava antes do 25 de Abril; já vi em imagens passadas paredes besuntadas pelos esquerdóides cuja moral é essencialmente mural. Ùltimamente temos este destrambelho autorizado e oficializado até em carruagens de comboio, carreiras e carrinhas comerciais. Aguardemos com expectativa a sua chegada aos aviões na Portela e ao nosso automóvel.
Ca ganda civilização, pá!
Cumpts.
De [s.n.] a 14 de Junho de 2015
Já calculava. De qualquer modo é esquisito.
Li mesmo agora a sua resposta, logo após ter enviado o meu último comentário. Concordo em absoluto, infelizmente é tal e qual como diz/escreve.
Maria
De joebernard a 10 de Junho de 2015
Sempre a aprender.
Muito obrigado.
De Bic Laranja a 11 de Junho de 2015
Obrigado eu do seu apreço.
Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____