Quarta-feira, 16 de Agosto de 2023

A ponte a pé

A Faustissima e Monumental Reunião dos Illustrissimos e Excellentissimos Membros da Junta Provisoria do Governo Supremo do Reino e Regencia Interina de Lisboa no Palacio da Regencia na Praça do Rocio de Lisboa em o dia 1.º de Outubro de 1820 (Gravura de Antoine Candido Cordeiro Pinheiro Furtado, in archivo photographico da C.M.L.)

 Quando o bom povo vivia oprimido a toponímia dos lugares saía-lhe espontânea. Ao depois vieram por aí uns eleitos para libertar povos oprimidos e de caminho assenhorearam-se das ruas, largos, praças e lugares. Muito democràticamente desataram a eito em dar-lhe nomes mais correctos do que os que lhe o simples povo fôra capaz de dar. Por pouco caso, bêcos e azinhagas foram por então ainda deixados manter com seus nomes populares e espontâneos. Logo, logo acabariam também alçados à dignidade de ruas e até de avenidas pelo progresso trazido pelos tais eleitos — ou mesmo por uma questão de nada — e então lhe ajustariam êles, os novos senhores das ruas e doutores da toponímia, um nome verdadeiramente adequado e capaz. Tudo abrilhantado com uma competente e protocolar inauguração, claro, não havendo de descurar a necessária pompa.
 Simplesmente sucedeu que, com o tempo, esta espécie de eleitos se multiplicou em tal cópia que em pouco lhe não chegaram as ruas, praças e avenidas, mesmo se novas, para tantos e honrados nomes que a libertação dos povos ia produzindo. E com isto vieram os desoprimidos povos a assistir — de certo sorrindo-se com popular desprêzo — a uma disputada e infinda dança de topónimos por tudo quanto fôsse serventia tida como capaz para honrar coisa ou alguém, normalmente figurão de nomeada com pergaminhos de bom coiro na tal liberdade. E agora, havendo escassez de boas serventias e de melhores lugares com que continuar a honrar figuras, figurinhas, figurões daquêles, vêem-se por aí os tais eleitos acotovelando-se em pontes peidonais, bufando uns com os outros e entre si sôbre qual o nome mais acertado que, com tal obrazinha, hão-de haver de a inaugurar. Em fim, mais do mesmo que já antes o bom povo viu como digo, sorrindo-se de desprêzo, desde que o Terreiro do Paço deu sem nunca bem dar em Praça do Comércio, o Rossio desdeu não dando jàmais em coisa com nome de imperador estrangeiro (dizem alguns que  mexicano…) e o Campo Grande desandou de Campo 28 de Maio em jardim dum certo Soares continuando a sêr sempre e só o que fôi por séculos: Campo Grande. Viradeiras estas que só vistas, pois que a final nada viraram nem hão-de virar, salvas umas moscas.

Praça de D. Pedro em Lisboa [i.é, o Terreiro do Rocio em 1848]. Desenho de Legrand, in archivo photographico da C.M.L.


 De topónimos, pois, a crua realidade que havemos destes últimos dias é que tal ponte a pé mais será coisa para perfumar figurões de alto coturno com aromas do Trancão do que para homenagear alguém ou quem quere que seja de dignidade fora disso. Tôda a pessoa séria o entende e, claro, declinaria sempre educadamente tão magna homenagem na circunstância de suceder consigo.
 Foi o caso.


A Faustissima e Monumental Reunião dos Illustrissimos e Excellentissimos Membros da Junta Provisoria do Governo Supremo do Reino e Regencia Interina de Lisboa no Palacio da Regencia na Praça do Rocio de Lisboa em o dia 1.º de Outubro de 1820. Gravura de Antoine Candido Cordeiro Pinheiro Furtado, in archivo photographico da C.M.L.
Praça de D. Pedro em Lisboa [i.é, o Terreiro do Rocio em 1848]. Desenho de Legrand, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 18:31
Verbete | comentar
10 comentários:
De [s.n.] a 16 de Agosto de 2023
Na primeira gravura faz uma certa confusão o Arco Triunfal que aparece no lado direito.
Vendo bem a imagem, temos na elevação ao fundo o Convento da Encarnação, no Rossio o Palácio da Regência, ou Estaus, e o Arco que só pode ser na Rua do Amparo, por isso uma montagem efémera a testemunhar o acontecimento,

Cumpts.
De Bic Laranja a 18 de Agosto de 2023
Sim, faz. A sua descrição é exacta.
Cumpts.
De Figueiredo a 17 de Agosto de 2023
Quando o Presidente Rui Rio Governou a Cidade do Porto entre 2002 e 2013 fez uma renovação das placas de toponímia, muito bem conseguida por sinal, e com uma particularidade interessante, por debaixo dos nomes que foram atribuídos às ruas - em substituição dos outros que já lá estavam - após o golpe de Estado liberal/maçónico de 1820, mandou colocar os nomes originais.

Nem imagina o granel que foi por parte dos liberais/maçonaria (PS, CDS, BE, PCP, e a facção liberal/maçónica do PSD), todos em coro uníssono contra aquela renovação das placas toponímicas da Cidade Invicta que pretendeu preservar e manter a História e Identidade Portuense, em oposição à cultura do cancelamento promovida pelos primeiros.

Em relação ao nome que queriam dar a essa ponte pedonal no Estrangeiro, é um problema dos Lisboetas, mas na minha opinião não faz sentido atribuir nomes a infra-estruturas, de indivíduos que nada fizeram por Portugal nem contribuíram para o bem-estar dos Portugueses.

Na Cidade do Porto passa-se a mesma coisa com o Executivo liberal/maçónico do «Porto, o Nosso Partido/Porto, o Nosso Movimento/Aqui Há Porto» a querer atribuir o nome, simplesmente por capricho, de um funcionário do Clero que nada fez pela Cidade ou pelos Portuenses – que inclusive não lhe reconhecem qualquer mérito – a uma nova ponte que eventualmente será construída sobre o Rio Douro.
De Bic Laranja a 18 de Agosto de 2023
Cheira-me haver qualquer culto com os nomes dessa malta. Uma espécie de invocação de santinhos. Ou santarrões…
Isso que conta das placas toponímicas do Pôrto foi bem achado. Melhor se vier a suprimir a toponímia de 2.ª que os pedreiros lavraram.
Cumpts.
De gato a 17 de Agosto de 2023
Costumo ensinar aos novos que se querem saber quem foram os filhos da pita que vejam os topónimos criados desde há 59 anos.
De Bic Laranja a 18 de Agosto de 2023
Pode somar aí o que vai para trás até ao tempo de Pedro, o brasileiro.
Cumpts.
De gato a 19 de Agosto de 2023
Tenho que concordar consigo. Pois Vexa sabe muito mais do que eu.
Eu creio que os brasileiros são o que são dado terem sido ensinados pelos tugas. Desde há séculos.
De Bic Laranja a 19 de Agosto de 2023
Não sei se sei. É o que me parece.
«Pedro, o brasileiro» é como Oliveira Martins abre o seu «Portugal Contemporâneo». Vali-me aqui da paráfrase para recuar à época.
Os brasileiros são o que são. Quando Manoel Ant.º de Almeida escreveu as «Memorias de um Sargento de Milicias» em 1854 ainda não eram mais que portugueses. É admirável. De há uns cem anos ou mais, porem, que vão em deriva própria. O samba nada tem de português, sequer de tuga (abominável adjectivo).
Cumpts.
De [s.n.] a 19 de Agosto de 2023
Os tugas uma abreviatura de portugas é utilizado entre a nossa imigração europeia, assim como eram tratados os nossos soldados na Guiné.
A grande maioria de imigração para o Brasil sempre foi por analfabetos minhotos, ao ponto de ser proibido devido a escassez de não de obra na região.

Cumpts.
De Bic Laranja a 20 de Agosto de 2023
Tenho-o termo rasca. Não gosto por ser sempre referido aos Portugueses. Mesmo se reles. De mais se já chegamos ao pontos de não poder dizer preto ou cigano.
Cumpts.

Comentar

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____