7 comentários:
De [s.n.] a 30 de Agosto de 2015
Bem, ela preta-preta não é, dado o tom clarinho da pele. É sim d'origem africana ou, se se preferir, d'origem negra. O que não significa ser-se incorrecto ou insultuoso ao afirmá-lo, antes pelo contrário, está-se simplesmente a constatar um facto evidente.

Sem querer ofender, não é meu intuito, sugiro a esta rapariga uma de duas coisas: ou corrige a pronuncia e a fonética do português e em simultâneo cuida a dicção, não omitindo as sílabas; ou tem uma boa hipótese de pôr à prova as suas capacidades jornalísticas sem que se lhe sejam apontados erros fonéticos ou outros. Tente ir trabalhar para uma das televisões ou de Angola ou de Moçambique, pois é de crer que a jornalistas competentes não lhes seja recusado o ingresso nos respectivos quadros. Atributos profissionais aparentemente não lhe faltam, o que já é meio caminho andado. Além de que tratar-se-ia por certo de entrada imediata, pois não é de supor haver em tão recentes televisões jornalistas em excesso.

Ah, já me esquecia. Caso fique por cá e continue a aparecer nos écrans/pantalhas, uma vez os erros supra-citados corrigidos, por favor estique o cabelo ou corte-o muito curtinho. É que, repare, não está a interpretar um papel numa novela (emulando aquela rapariga que aparece com uma carapinha rústica numa novela da TVI, se este fosse o caso ainda vá que não vá) mas sim a ler notícias para milhões de pessoas, o que, note bem (ela e todas as/os colegas), requer sobriedade, bom aspecto geral ou seja boa apresentação, a máxima discrição no modo de falar e de expôr as notícias, ter um cuidado especial no trajar e acima de tudo uma locução impecável. Quanto a expressões faciais esquisitas, esgares despropositados e gesticulações extemporâneas, rigorosamente nenhumas.

Dir-se-á que sou exigente. Pois sou, mas primeiro sou comigo para depois poder ser com os outros. E orgulho-me de possuir essas qualidades, porque o são de facto. Pois foi justamente devido a elas que fui seleccionada, dentre muitas outras candidatas, para quatro dos empregos fixos a que concorri sendo já adulta, sem contar com os vários outros que desempenhei enquanto estudante e em todos eles a característica salientada pelos meus patrões (como os chefes de hoje se designavam antes do 25/4) para ter sido eu a escolhida foi ser rigorosa, exigente e perfeccionista no desempenho das tarefas que me eram atribuídas. Devo frisar - isto, para que se tenha a noção exacta da importância que antigamente os empregadores davam às qualidades tidas por indispensáveis para contratar funcionários (sendo a boa apresentação uma das mais importantes) as mesmas que hoje vergonhosamente são totalmente descuradas, mas também não admira tendo em conta o bando corrupto que comanda as sociedades política e civil - que em dois dos meus empregos temporários, ainda enquanto estudante, o tom bonito da minha voz e a minha dicção perfeita (sem falsa modéstia, pois eram estes os elogios recebidos) já que estas eram as qualidades requeridas para aquele trabalho específico, foram os atributos essenciais para ter sido eu a contratada.
Maria

De [s.n.] a 30 de Agosto de 2015
Leia-se "pronúncia" com acento tónico, naturalmente.
Maria
De Bic Laranja a 30 de Agosto de 2015
Não iria tão longe como mandá-la para África. Naturalmente até será de cá.
A dicção valia para a rádio e televisão de antigamente. Agora alardeia-se a origem (e até os maus costumes) com... orgulho... E a apresentação, claro, vai com as modas.
A moça fala à maneira do seu bairro. Dificilmente se perde. Uns falam como alfacinhas de gema, outros como tripeiros disfarçados. Já faltou mais para aparecer aí brasileiro num telejornal. Ou um hipster.
Cumpts.
De [s.n.] a 31 de Agosto de 2015
A minha ideia não era enviá-la para África, longe disso. O que não quer dizer que se fosse para lá perdesse algo com a decisão, antes, seria seguramente bem acolhida pois nota-se que tem capacidade para exercer a profissão e de certeza qualidades inerentes à mesma. Não é verdade que lhe foi atribuído há uns tempos um prémio qualquer por uma reportagem ou documentário de sua autoria, por iniciativa de um político ou de um administrador ou director da televisão em que trabalha?

O que ela necessita é de alguém da sua entourage que saiba da poda ou, caso não exista tal pessoa, de alguém do departamento de estilismo(?) ou guarda-roupa(?) da empresa - que parece já existir em todas as televisões, tal como existem cabeleireiras - precisamente para aconselhar as/os apresentadoras/es, locutoras/es, etc., no modo de se vestirem e pentearem, já que uma apresentação extremamente cuidada, além de um vocabulário irrepreensível e o máximo rigor linguístico, é o mínimo que se exige às pessoas que fazem desta profissão o seu modo de vida. Quanto mais não seja, por respeito para com os telespectadores.
Afinal de contas são estes quem indirectamente lhes paga os ordenados.
Maria
De Bic Laranja a 31 de Agosto de 2015
Ando a treslê-la, peço desculpa.
Compreendo o que diz. Tem razão na falta de rigor ou de cânone na apresentação.
Mas é como as modas vão. Pedir mera formalidade convencional é hoje tido por extravagante. Vivemos num tempo às avessas. O desnorte faz escola. De modo que...
Valha-nos o desabafo. Mais que não seja por desfatio da constante palermice.
Cumpts.

Comentar