Domingo, 10 de Junho de 2018

Saudades da Pátria

 Há uma história do prof. Hermano Saraiva, contada por quem no acompanhava nas filmagens de seus programas, em como ele «obrigou» a equipa a filmar num 10 de Junho, dia feriado, porque era o próprio dia de Portugal e de Camões, tema inspirador do programa.
 Creio que o programa há-de ter sido este, das Saudades da Pátria, gravado no próprio dia de Camões de 2003.
 O prof. Hermano Saraiva era mesmo assim: para si, tempo e espaço da História, que o tanto inspirava no presente, fundiam a própria alma e a gente que a fez (à História) consigo, que a eloquentemente contava; uma coisa mística, onde o professor encontrava a sua própria inspiração para chegar ao seu mais verdadeiro sentir do passado — neste caso, do Poeta, cujo dia comemorava. Um rito como que de abrir uma porta temporal para ir ao encontro de Luís Vaz, de Portugal, da Gesta: eis a Alma e a Gente, sua, nossa.


José Hermano Saraiva, Saudades da Pátria
(A Alma e a Gente, I-21, R.T.P., 12/VII/2003.)

*   *   *

Capturar
(Canção XIII, i.é Canção IX — na ed. de 1595)

Escrito com Bic Laranja às 21:35
Verbete | comentar
13 comentários:
De [s.n.] a 11 de Junho de 2018 às 14:10
Mais logo, se tiver tempo, deixarei aqui uma notinha sobre este excelso Historiador e Grande Português cujos belíssimos programas televisivos (sem esquecer os seus livros de História) tanto nos maravilharam.
Maria
De Bic Laranja a 12 de Junho de 2018 às 22:03
Este programa, invocando um canção autobiográfica de um Camões perdido, entediado, desesperado, em 1555,

Junto de um seco, fero e estéril monte,
inútil e despido, calvo, informe,
da natureza em tudo aborrecido;
onde nem ave voa, ou fera dorme,
nem rio claro corre, ou ferve fonte,
nem verde ramo faz doce ruído [...]


... imagem viva da tórrida, árida e inóspita região entre o corno de África e a Arábia, na embocadura do Mar Roxo (moderna e menos encatadamente Mar Vermelho), quase nos quase leva a sentir na pele a solidão desoladora que tocava o Poeta experimentou desgarrado ali naqueles dias e semanas da navegação das portas do estreiro. Camões há-de ter escrito a canção XIII duma penada, entre o tédio desinspirador do mar alto no golfo de Adém, a caloraça iemenita, e a saudade que lhe aflorava nas gotas de suor que lhe desciam nas frontes com toda aquela desolação.
O cenário pedregoso do Cabo Espichel foi um achado para materializar a cinco séculos de distância o que deve ter visto Camões nalguma aguada da armada em que seguia por aquelas costas, ali, naquele ano de 1555.
Eis uma vez mais o tempo e a alma unindo tão eloquentemente o prof. Saraiva e a História de Portugal. A nós, basta deixarmo-nos ir na sua boleia.

Cumpts.
De [s.n.] a 12 de Junho de 2018 às 23:03
Que bonito o que escreveu. Parabéns.

Esta nota vai abreviada, mais tarde alongar-me-ei um pouco mais sobre a maravilha que era ouvir o Prof. Hermano Saraiva a descrever os mais relevantes períodos da nossa Gloriosa História de um modo extremamente interessante e que encantava não só os portugueses em Portugal como os milhões espalhados pelo mundo, os quais, eu sei, não perdiam um único episódio das várias séries sobre o mesmo tema que o Professor havia concebido e apresentava como só ele o sabia fazer.
Maria
De Bic Laranja a 13 de Junho de 2018 às 14:33
Havia de tê-lo relido mais uma vez. Demaisadas gralhas.
Paciência!
Mas, obrigado! É sempre generosa demais comigo.

:)
De [s.n.] a 13 de Junho de 2018 às 17:18
Não vi gralha alguma, mas pronto:-)
Maria
De [s.n.] a 13 de Junho de 2018 às 19:19
"... gralha alguma no seu texto", queria eu dizer!
Maria
De Bic Laranja a 13 de Junho de 2018 às 19:41
... menos encantadamente...
quase nos quase leva a sentir na pele a solidão desoladora que tocava o Poeta experimentou desgarrado ali naqueles dias e semanas da navegação das portas do estreiro estreito.


----

E veja o aspecto do cabo de Guardafui...

De [s.n.] a 13 de Junho de 2018 às 22:37
Uma pequena maravilha!
Maria
De [s.n.] a 14 de Junho de 2018 às 17:43
Deixe-me ser mais específica.

Estava-se então perante Terras desoladoras e inóspitas e tremendamente tristes, exactamente como Camões as encontrou e tão bem descreveu. Mas visto com olhos do presente e por estranho que pareça vejo nelas qualquer coisa de belo. Talvez diga isto por saber que o nosso Herói por lá andou e tanto penou, mas onde de certeza deixou um pedacinho da sua alma, tão grandiosa quão inquieta e sofredora.

O vídeo que deixou e que mais uma vez adorei, embora já o tivesse visto na altura em que passou na TV e ainda voltei a vê-lo tempos depois, é uma verdadeira obra de arte não só pelo conteúdo selecto, mas também e sobretudo pela paixão patriótica contagiante como o Professor o apresenta.
Maria
De [s.n.] a 16 de Junho de 2018 às 02:07
Não posso deixar de me penitenciar por uma falha minha inicial. Acredite que só ontem fui ver as lindíssimas imagens em sequência do Cabo de Guadarfui, tal como é no presente.

Claro que vi logo a primeira que postou, de uma/s montanha/s árida/s e agreste/s e mentalizei-me ser a única que havia para ver!!! "Erro meu, má fortuna", mas tratou-se sobretudo de uma distracção minha inadmissível. É o que dá ter pressa. Tinha que sair e antes disso queria ler ainda alguns textos. Mas o pior, mesmo, é que pensei estùpidamente não haver mais imagens para ver..., mas sobretudo ter pouca experiência(ainda) para abrir d'imediato PDF's e preciosidades internéticas do estilo.

Escusado será dizer que as seguintes imagens são lindas de morrer. Um sonho de praias(?) a perder de vista e de um mar calmo e um céu azul deslumbrante. Na verdade hoje o tal Cabo de Guardafui deve ser um lugar deslumbrante.
Maria
De Bic Laranja a 16 de Junho de 2018 às 12:57
Aqueles mares andam infestados de piratas. A nossa Marinha de Guerra tem andado por lá integrada numa qualquer «força internacional», a única coisa que ainda permite que haja Forças Armadas neste rectângulo do futebol cervejeiro e brunícola.

No tempo de Camões patrulhávamos nós, os portugueses, por inteiro para tolher o comércio turco do Oriente ao Mediterrâneo através do Mar Vermelho. A ilha de Socotorá, ante o cabo de Guardafui, foi conquistada em 1507 e construímos lá um forte, parece que com madeira aparelhada levada de Portugal. Mas a aridez daquelas terras, a fome que assolava as guanições, a dificuldade dos abastecimentos e a inospitalidade da moirama circundante levaram ao desmantelamento do forte.
Camões andou por lá nestes trabalhos. Do que descreve na canção, desesperou.

Cumpts.
De [s.n.] a 16 de Junho de 2018 às 15:08
Uma pequenina informação que é uma delícia de se ler. Obrigada por esta sua preciosa achega.
Maria
De Bic Laranja a 16 de Junho de 2018 às 19:47
Obrigado!

Comentar

Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____