13 comentários:
De Bic Laranja a 12 de Junho de 2018 às 22:03
Este programa, invocando um canção autobiográfica de um Camões perdido, entediado, desesperado, em 1555,

Junto de um seco, fero e estéril monte,
inútil e despido, calvo, informe,
da natureza em tudo aborrecido;
onde nem ave voa, ou fera dorme,
nem rio claro corre, ou ferve fonte,
nem verde ramo faz doce ruído [...]


... imagem viva da tórrida, árida e inóspita região entre o corno de África e a Arábia, na embocadura do Mar Roxo (moderna e menos encatadamente Mar Vermelho), quase nos quase leva a sentir na pele a solidão desoladora que tocava o Poeta experimentou desgarrado ali naqueles dias e semanas da navegação das portas do estreiro. Camões há-de ter escrito a canção XIII duma penada, entre o tédio desinspirador do mar alto no golfo de Adém, a caloraça iemenita, e a saudade que lhe aflorava nas gotas de suor que lhe desciam nas frontes com toda aquela desolação.
O cenário pedregoso do Cabo Espichel foi um achado para materializar a cinco séculos de distância o que deve ter visto Camões nalguma aguada da armada em que seguia por aquelas costas, ali, naquele ano de 1555.
Eis uma vez mais o tempo e a alma unindo tão eloquentemente o prof. Saraiva e a História de Portugal. A nós, basta deixarmo-nos ir na sua boleia.

Cumpts.
De [s.n.] a 12 de Junho de 2018 às 23:03
Que bonito o que escreveu. Parabéns.

Esta nota vai abreviada, mais tarde alongar-me-ei um pouco mais sobre a maravilha que era ouvir o Prof. Hermano Saraiva a descrever os mais relevantes períodos da nossa Gloriosa História de um modo extremamente interessante e que encantava não só os portugueses em Portugal como os milhões espalhados pelo mundo, os quais, eu sei, não perdiam um único episódio das várias séries sobre o mesmo tema que o Professor havia concebido e apresentava como só ele o sabia fazer.
Maria
De Bic Laranja a 13 de Junho de 2018 às 14:33
Havia de tê-lo relido mais uma vez. Demaisadas gralhas.
Paciência!
Mas, obrigado! É sempre generosa demais comigo.

:)
De [s.n.] a 13 de Junho de 2018 às 17:18
Não vi gralha alguma, mas pronto:-)
Maria
De [s.n.] a 13 de Junho de 2018 às 19:19
"... gralha alguma no seu texto", queria eu dizer!
Maria
De Bic Laranja a 13 de Junho de 2018 às 19:41
... menos encantadamente...
quase nos quase leva a sentir na pele a solidão desoladora que tocava o Poeta experimentou desgarrado ali naqueles dias e semanas da navegação das portas do estreiro estreito.


----

E veja o aspecto do cabo de Guardafui...

De [s.n.] a 13 de Junho de 2018 às 22:37
Uma pequena maravilha!
Maria
De [s.n.] a 14 de Junho de 2018 às 17:43
Deixe-me ser mais específica.

Estava-se então perante Terras desoladoras e inóspitas e tremendamente tristes, exactamente como Camões as encontrou e tão bem descreveu. Mas visto com olhos do presente e por estranho que pareça vejo nelas qualquer coisa de belo. Talvez diga isto por saber que o nosso Herói por lá andou e tanto penou, mas onde de certeza deixou um pedacinho da sua alma, tão grandiosa quão inquieta e sofredora.

O vídeo que deixou e que mais uma vez adorei, embora já o tivesse visto na altura em que passou na TV e ainda voltei a vê-lo tempos depois, é uma verdadeira obra de arte não só pelo conteúdo selecto, mas também e sobretudo pela paixão patriótica contagiante como o Professor o apresenta.
Maria
De [s.n.] a 16 de Junho de 2018 às 02:07
Não posso deixar de me penitenciar por uma falha minha inicial. Acredite que só ontem fui ver as lindíssimas imagens em sequência do Cabo de Guadarfui, tal como é no presente.

Claro que vi logo a primeira que postou, de uma/s montanha/s árida/s e agreste/s e mentalizei-me ser a única que havia para ver!!! "Erro meu, má fortuna", mas tratou-se sobretudo de uma distracção minha inadmissível. É o que dá ter pressa. Tinha que sair e antes disso queria ler ainda alguns textos. Mas o pior, mesmo, é que pensei estùpidamente não haver mais imagens para ver..., mas sobretudo ter pouca experiência(ainda) para abrir d'imediato PDF's e preciosidades internéticas do estilo.

Escusado será dizer que as seguintes imagens são lindas de morrer. Um sonho de praias(?) a perder de vista e de um mar calmo e um céu azul deslumbrante. Na verdade hoje o tal Cabo de Guardafui deve ser um lugar deslumbrante.
Maria
De Bic Laranja a 16 de Junho de 2018 às 12:57
Aqueles mares andam infestados de piratas. A nossa Marinha de Guerra tem andado por lá integrada numa qualquer «força internacional», a única coisa que ainda permite que haja Forças Armadas neste rectângulo do futebol cervejeiro e brunícola.

No tempo de Camões patrulhávamos nós, os portugueses, por inteiro para tolher o comércio turco do Oriente ao Mediterrâneo através do Mar Vermelho. A ilha de Socotorá, ante o cabo de Guardafui, foi conquistada em 1507 e construímos lá um forte, parece que com madeira aparelhada levada de Portugal. Mas a aridez daquelas terras, a fome que assolava as guanições, a dificuldade dos abastecimentos e a inospitalidade da moirama circundante levaram ao desmantelamento do forte.
Camões andou por lá nestes trabalhos. Do que descreve na canção, desesperou.

Cumpts.
De [s.n.] a 16 de Junho de 2018 às 15:08
Uma pequenina informação que é uma delícia de se ler. Obrigada por esta sua preciosa achega.
Maria
De Bic Laranja a 16 de Junho de 2018 às 19:47
Obrigado!

Comentar