Domingo, 2 de Setembro de 2018

Setembro

 Este ano ouve-se para aí que não muda a hora. Os mandarins de Bruxelas sondaram para se não mudar — descobriram que faz mal à saúde… 4 600 000 de europeus responderam (3 000 000 deles terão sido — é isto o jormalismo — alemães); 4/5 diz que disseram que não mudasse a hora. Os mandaretes do protectorado rectangular nada farão senão cumprir o que palpitou essa mole de germânicos. Tempos houve em que a hora legal em Portugal era sopesada cá, por gente de cá, e decretada soberanamente.  Depois do grande acidente nacional acomodaram-nos ao estrangeiro. Agora é como é.

 Ainda assim (sendo que Portugal acabou) menos mal…

 Setembro está para Março…
 O mês mai' radioso é Junho. Gosto dos meses luminosos. Julho está para Maio — mais dez, menos dez dias; Agosto para Abril… A diferença é o calor; Julho, Agosto e Setembro são no Verão.

 Em Abril, vindo do Inverno tristonho, os dias parecem-me sempre mais radiosos (salvo quando chove); frescotes, brumosos, mas mais radiosos, prenúncio de dias ainda maiores e, do Verão. O ânimo anima-se-me.

 Dantes, os alfacinhas abriam a época das hortas em Abril. A romaria dos domingos aos retiros arrabaldinos seguia até Outubro, tanta vez entre fados e esperas de toiros. Mas eram as pescadinhas de rabo na boca que chiavam tardes inteiras na sertã ou o coelho que ia para a caçarola enquanto na almácega nadava a alface, a refrescar.

 Tempos bons de prazeres simples...

 Cuido que herdei uma inconsciência do ciclo desses tempos. Vou tomando consciência agora.
 De Abril sinto-me antecipar com prazer os dias grandes e radiosos do Verão. Por Abril, entre brumas que embranquecem ainda as manhãs frescotas de Primavera, cada sábado e domingo madrugo propenso ao devaneio: pela manhãzinha me levanto e barbeio com fados de antigamente ecoando fanhosamente duma grafonola pela jinela aberta do saguão onde pouso o espelho de mão. Capricho meu, repartido com uma vizinhança, que não madruga nem se vê (nem é de cá). O ideal seria a cena com bacia e gomil numa trapeira com o velho faduncho a repercutir-se por telhados castiços, entrevendo do Tejo. A vida tem limites. O tempo mata os horizontes.
 Supre-se-me o devaneio. Setembro é deprimente. Os dias encurtando-se e ao depois, enfim!... Deviam era logo decretar o fim do Inverno, pela minha rica saúde.

Nesga do Tejo, Alfama (Adiça), 195… Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.



_____
Fotografia: S. Miguel e o Tejo tomados da Adiça, Alfama, 195... Artur Pastor, in archivo phtographico da C.M.L.
Fado: Amália, As Penas (Fernando Caldeira/«Fado Bacallhau»). Continental, Rio de Janeiro, 1945.

Escrito com Bic Laranja às 08:41
Verbete | comentar
14 comentários:
De aespumadosdias a 2 de Setembro de 2018 às 11:05
Não acredito que hajam alterações.Provavelmente só se fala disso por cá.
De Bic Laranja a 2 de Setembro de 2018 às 13:31
Não acreditamos que haja alterações. Talvez!... Vamos ver.

(O verbo «haver» com sentido de «existir», usa-se de modo impessoal, logo na 3.ª pess. do sing. (i.é pessoas, coisas, conversas de que haja ou possa haver alterações e não hão pessoas, hão conversas de que hajam ou possam haver alterações.)

Cumpts.
De aespumadosdias a 2 de Setembro de 2018 às 14:14
Obrigado pela correção.
De Bic Laranja a 2 de Setembro de 2018 às 15:23
Obrigado eu! Da sua atenção e apreço.
Cumpts.
De zazie a 3 de Setembro de 2018 às 09:43
É a única boa ideia que me lembro da UE.

Vamos ter dia até mais tarde. Creio que assim é que ficará aproximado à hora solar. Desde 1917 que andávamos com mais 60 minutos em relação a Greenwich
De Bic Laranja a 3 de Setembro de 2018 às 21:12
Dia até mais tarde se ficarmos na hora de Verão. Mas é a hora de Verão que é adiantada de 60 min. em relação ao meridiano de Greenwich, não a de Inverno.
Cumpts.
De zazie a 3 de Setembro de 2018 às 22:29
Pois, exacto, ficamos então mais adiantados o tempo todo ehehe
Eles querem que não mude a hora de Inverno. Eu acho óptima ideia.
De Bic 🍊 a 4 de Setembro de 2018 às 02:07
Querem é que morramos todos cheios de saúde, isso é que é.
E democraticamente.
O resto é não terem mais que fazer.
Cumpts.
De zazie a 4 de Setembro de 2018 às 10:20
ehehe

Só o Cavaco se atreveu a mudar e ainda hoje bufam por causa disso.
Agora vai ser a UE a fazer metade do que ele fez e nem piam.

Por mim acho bem. Ficar noite às 5 da tarde é que só masoquistas podem defender.
De Bic Laranja a 4 de Setembro de 2018 às 18:05
O Cavaco encaixou-nos no fuso de Berlim. No Verão ficámos duas horas adiantados ao Sol. Mais os 36'44" de avanço de Greenwich em relação ao Alto da Ajuda.
Havia crepúsculo depois das 11 da noute!
De José Lima a 13 de Setembro de 2018 às 04:11
Caro Bic Laranja, diz bem. Por mim, não tenho saudades nenhumas do dia nascer de Inverno às oito e meia da manhã, ou de Verão o Sol ainda estar acima da linha do horizonte muito depois das dez da noite... Tratou-se de um deslumbramento provinciano de quem nem cuidou que mesmo em autênticos estados federais existem diferenças horárias bastante significativas, como, por exemplo, as três horas de diferença entre Nova Iorque e Los Angeles, nos Estados Unidos...
De Bic Laranja a 15 de Setembro de 2018 às 19:32
Deslumbramento provinciano, sem tirar nem pôr. Uma maleita incurável nesta terra. Da plebe à fidalguia. Salvas honrosas (e raríssimas) excepções.
A massa da nossa gente está demaisado adulterada. Sem recuperação.
Cumpts.
De dh a 22 de Setembro de 2018 às 03:53
Caro Bic

Num pequeno e curioso livrito que aqui tenho, Metereologia Popular, escrito por um tal António Machado e publicado em 1901
"Em Lisboa, nos dias mínimos o sol nasce às 7 horas e 30 minutos da manhã e põe-se às 4 horas e 30 minutos da tarde, e nos máximos,nasce as 4 horas e 30 minutos da manhã e põe-se às 7 horas e 30 minutos da tarde."

Portugal passou a adoptar a hora de Greenwich em 1912. Imagino que as horas acima se refiram ao meridiano de Lisboa, onde o meio dia solar coincidiria com o meio dia horário.

Antes da Europa das horas já havia a Albion das horas...

https://pt.wikipedia.org/wiki/Meridiano_de_Greenwich

Bem haja

dh
De Bic Laranja a 22 de Setembro de 2018 às 12:09
Está certo. Era a hora do merediano de Lisboa, fixado no Alto da Ajuda: 36'44" de diferença de Greenwich.
Mas já não somos desse mundo «estranho». Um mundo que se regia pelo Sol e pelo sino da igreja. O raiar do Sol e o sol-pôr eram simplesmente quando eram e como tal marcavam a jorna; a hora do relógio servia para regular o sino.
Em anoitecendo, fosse às 4h30, fosse às 7h30 da tarde, esse mundo quase tão velho como a natureza recolhia-se como o resto dela; haveria um pouco de serão, se tanto, à luz da candeia. Trindade Coelho retrata-o bem no conto «À lareira» d' Os Meus Amores (3.ª ed., 1901, pp. 225-286).

Antes da Europa das horas e da Albion das horas o que havia era isto que lhe digo: jornada e serão; medido porventura em horas, quiçá meias horas, mai' raramente quartos de hora, mas nada de minutos. Estes, e os segundos são coisa de agora, do mundo urbano. Uma aceleração alienadora que é como vivemos.
Cumpts.

Comentar

Setembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
14
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____