14 comentários:
De aespumadosdias a 2 de Setembro de 2018 às 11:05
Não acredito que hajam alterações.Provavelmente só se fala disso por cá.
De Bic Laranja a 2 de Setembro de 2018 às 13:31
Não acreditamos que haja alterações. Talvez!... Vamos ver.

(O verbo «haver» com sentido de «existir», usa-se de modo impessoal, logo na 3.ª pess. do sing. (i.é pessoas, coisas, conversas de que haja ou possa haver alterações e não hão pessoas, hão conversas de que hajam ou possam haver alterações.)

Cumpts.
De aespumadosdias a 2 de Setembro de 2018 às 14:14
Obrigado pela correção.
De Bic Laranja a 2 de Setembro de 2018 às 15:23
Obrigado eu! Da sua atenção e apreço.
Cumpts.
De zazie a 3 de Setembro de 2018 às 09:43
É a única boa ideia que me lembro da UE.

Vamos ter dia até mais tarde. Creio que assim é que ficará aproximado à hora solar. Desde 1917 que andávamos com mais 60 minutos em relação a Greenwich
De Bic Laranja a 3 de Setembro de 2018 às 21:12
Dia até mais tarde se ficarmos na hora de Verão. Mas é a hora de Verão que é adiantada de 60 min. em relação ao meridiano de Greenwich, não a de Inverno.
Cumpts.
De zazie a 3 de Setembro de 2018 às 22:29
Pois, exacto, ficamos então mais adiantados o tempo todo ehehe
Eles querem que não mude a hora de Inverno. Eu acho óptima ideia.
De Bic 🍊 a 4 de Setembro de 2018 às 02:07
Querem é que morramos todos cheios de saúde, isso é que é.
E democraticamente.
O resto é não terem mais que fazer.
Cumpts.
De zazie a 4 de Setembro de 2018 às 10:20
ehehe

Só o Cavaco se atreveu a mudar e ainda hoje bufam por causa disso.
Agora vai ser a UE a fazer metade do que ele fez e nem piam.

Por mim acho bem. Ficar noite às 5 da tarde é que só masoquistas podem defender.
De Bic Laranja a 4 de Setembro de 2018 às 18:05
O Cavaco encaixou-nos no fuso de Berlim. No Verão ficámos duas horas adiantados ao Sol. Mais os 36'44" de avanço de Greenwich em relação ao Alto da Ajuda.
Havia crepúsculo depois das 11 da noute!
De José Lima a 13 de Setembro de 2018 às 04:11
Caro Bic Laranja, diz bem. Por mim, não tenho saudades nenhumas do dia nascer de Inverno às oito e meia da manhã, ou de Verão o Sol ainda estar acima da linha do horizonte muito depois das dez da noite... Tratou-se de um deslumbramento provinciano de quem nem cuidou que mesmo em autênticos estados federais existem diferenças horárias bastante significativas, como, por exemplo, as três horas de diferença entre Nova Iorque e Los Angeles, nos Estados Unidos...
De Bic Laranja a 15 de Setembro de 2018 às 19:32
Deslumbramento provinciano, sem tirar nem pôr. Uma maleita incurável nesta terra. Da plebe à fidalguia. Salvas honrosas (e raríssimas) excepções.
A massa da nossa gente está demaisado adulterada. Sem recuperação.
Cumpts.
De dh a 22 de Setembro de 2018 às 03:53
Caro Bic

Num pequeno e curioso livrito que aqui tenho, Metereologia Popular, escrito por um tal António Machado e publicado em 1901
"Em Lisboa, nos dias mínimos o sol nasce às 7 horas e 30 minutos da manhã e põe-se às 4 horas e 30 minutos da tarde, e nos máximos,nasce as 4 horas e 30 minutos da manhã e põe-se às 7 horas e 30 minutos da tarde."

Portugal passou a adoptar a hora de Greenwich em 1912. Imagino que as horas acima se refiram ao meridiano de Lisboa, onde o meio dia solar coincidiria com o meio dia horário.

Antes da Europa das horas já havia a Albion das horas...

https://pt.wikipedia.org/wiki/Meridiano_de_Greenwich

Bem haja

dh
De Bic Laranja a 22 de Setembro de 2018 às 12:09
Está certo. Era a hora do merediano de Lisboa, fixado no Alto da Ajuda: 36'44" de diferença de Greenwich.
Mas já não somos desse mundo «estranho». Um mundo que se regia pelo Sol e pelo sino da igreja. O raiar do Sol e o sol-pôr eram simplesmente quando eram e como tal marcavam a jorna; a hora do relógio servia para regular o sino.
Em anoitecendo, fosse às 4h30, fosse às 7h30 da tarde, esse mundo quase tão velho como a natureza recolhia-se como o resto dela; haveria um pouco de serão, se tanto, à luz da candeia. Trindade Coelho retrata-o bem no conto «À lareira» d' Os Meus Amores (3.ª ed., 1901, pp. 225-286).

Antes da Europa das horas e da Albion das horas o que havia era isto que lhe digo: jornada e serão; medido porventura em horas, quiçá meias horas, mai' raramente quartos de hora, mas nada de minutos. Estes, e os segundos são coisa de agora, do mundo urbano. Uma aceleração alienadora que é como vivemos.
Cumpts.

Comentar