Quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

Tourada de vida

 Se dou comigo a pensar no rumo de certas coisas acabo a cismar...
 Do infame acordo ortográfico tenho noção de que se 99% das pessoas o rejeitarem nada conseguem ante o poder de as organizações onde trabalham ou com que lidam, o imporem. E no entanto, não são as organizações somas de pessoas?
 Que força falseia os dados e produz resultado adverso ao querer da gente?Write what told

 Transpondo para a sagrada democracia é o mesmo: cada cidadão exprime um voto; o poder madatado por si desquita-se da soma dos cidadãos e manda como lhe der. E a mesma força adversa às gentes torna quatro anos depois com a mesma tourada...
 Dantes os indivíduos faziam o corpo duma nação. Agora a sagrada democracia proibe o Estado corporativo e pare cidadãos, eleitores, livres, carregadinhos como burros de direitos: de agremiação, de manifestação, de opinião, de petição... Que vão sendo toureados.

 Na segunda-feira pedi que me ligassem a luz numa casa fechada. Remeteram-me um contrato redigido com os pés (duas ocorrências de «contato» por «contacto», quatro de «fato» por «facto», um mês com maiúscula e duas ocorrências de «electricidade» -- justamente, com «c» -- no meio dum festival de mutilações lexicais do Português. Na terça pedi exemplar sério do contrato, redigido sem a cacografia reinante. Ontem acusaram-me a «recepção» do pedido em português: -- nem tudo está perdido -- pensei. Santa ingenuidade... Hoje telefonou-me um cavalheiro, certamente engravatado para me dizer de fato «não senhor!»; na sua companhia da luz a electricidade agora é assim e assim mesmo; quem quer compra e cumpre, quem não quer pode comprar noutro lado. -- Poderoso vendedor que se está para a freguesia como o outro estava para o segredo de justiça...
 Entretanto esta manhã ligaram-me a electricidade mesmo sem o contrato assinado. Pagarei a que gastar e, do destrambelho, Deus dirá...
 Na segunda pedi a outra gente, parelha desta, que me ligasse a água na mesma morada. Em ambos pedidos indiquei um certo n.º de telefone para agendarem o fornecimento. Hoje ligaram já de duas companhias de... telefones, impingindo telefonemas mais TV por cabo e mais pechisbeque que lhes sobeja no armazém. Como lhes terá cheirado a morada duma casa fechada para onde se pediu novamente água e luz? Quem lhes diabo de havia de ter segredado justamente aquele n.º de telefone?...
 Tourada mai' sinistra!...

Escrito com Bic Laranja às 21:59
Verbete | comentar
9 comentários:
De Afonso Loureiro a 21 de Novembro de 2014
Eu também aguardo com ansiedade (e sentado, obviamente) que me devolvam o contrato da electricidade em Português. Já lá vão dois anos. O primeiro que me mandaram, diziam que ma vendiam mas sem os devidos cc. São tão solícitos a abastardar a já má redacção.

Como tenho um certo receio de que os disjuntores lá de casa só trabalhem com electricidade e não com o que me dizem agora vender, benzo-me de cada vez que ligo uma luz.

É como as facturas da água que têm agora um campo para leitura com os ouvidos...
De Inspector Jaap a 21 de Novembro de 2014
- «…um campo para leitura com os ouvidos... »
Caro Afonso, mas acha mesmo que essas alimárias têm a noção do prefixo que desataram a usar em vez de «optikós»? Então é uma boa alma…
Mas que digo eu! Para quem vê com os pés, tudo é biologicamente possível, não acha?
Cumpts
De Bic Laranja a 22 de Novembro de 2014
Eheheh!
Isso e as linhas de distribuição serem duns e quem nos acaba a vender a electricidade serem outros; agora até ma metem no ramal do prédio, para minha casa um comerciante, para o meu vizinho do lado outro diferente. Como separam eles os quilovátios entre mim e o vizinho é um mistério.
Cumpts.
De Afonso Loureiro a 23 de Novembro de 2014
Os modernos liberalistas dizem que não é preciso produzir electricidade para a vender, basta dizer que se vende e passa-se de imediato para a lista de intermediários e comissionistas do monopólio. Pagam-na depois de receber, tal como os merceeiros da "grande distribuição". Chega para todos.
De Bic Laranja a 24 de Novembro de 2014
Salvo alguma cegonha...
Cumpts.
De Inspector Jaap a 21 de Novembro de 2014
Para que se não perca a Fé: aqui atrasado, fui prestar declarações à P.J . a propósito dum assalto; o agente que me atendeu, de resto muito gentil e educado, solicitou-me que lesse e assinasse as minhas declarações, entretanto reduzidas a escrito; quando reparei na maneira como o documento estava redigido, disse-lhe sem acinte, mas firmemente que só assinaria o documento se este estivesse escrito em Português, e esperei pela reacção, já algo alterado pelo que se poderia seguir; foi, pois, com surpresa que fui presenteado com um sorriso cúmplice e um:
- Com toda a certeza; espere só o tempo que me vai levar a corrigir tudo; não quer ajudar-me dando-me conta de todos os erros?
Acedi de imediato ao seu pedido e 5 m depois estava de saída não sem antes ter recebido um caloroso cumprimento do agente que me disse à boca pequena:
- Se fôssemos todos assim, isto se calhar já tinha ido à vida.
Achei piada à 1ª pessoa do plural da conjugação do verbo ser.
Cumpts

De Bic Laranja a 22 de Novembro de 2014
O problema são certos testas de ferro em postos chave.
Cumpts.
De drt a 25 de Novembro de 2014
A imposição do acordês através de uma ilegal resolução de conselho de ministros presidida pelo ora arguido Sócrates tem todo o ar de ser uma questão grave de corrupção e como tal deve ser tratada.
Não esquecer que Cavaco fala da "pressão no Brasil". Pela mesma altura deram-se várias negociatas com os brasileiros.
De Bic Laranja a 25 de Novembro de 2014
Houve algo no arregimentar de vontades de dois ínfimos estados africanos para somar os três necessários ao 2.º Protocolo e daí empurrar Portugal. Ninguém me convence do contrário.
Se com ele conseguiram os caipiras «baixar o preço» dos portugueses para os levar à derradeira consequência, não me admiraria.
Cumpts.

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____