Terça-feira, 24 de Dezembro de 2019

Uma Consoada no Sahara [*]

 Quem tenha visto «Uma história de Natal» do prof. Hermano Saraiva há-se de lembrar que ele começa contando que as histórias de Natal são sempre iguais: muita neve, muita neve; ventos a uivarem pelas quebradas das das montanhas; lobos ao longe; meninos com muito frio e fome, coitadinhos, sem um brinquedo sem um chocolate; o pai e a mãe muito tristes… Ao depois vem o Menino Jesus e dá-se o milagre: presentes e felicidade para todos.
 É bonito, mas, também conta o prof. Saraiva no episódio que às vezes não há milagres.
 Nesta história d' «Uma Consoada no Sahara» não há neve; frio, talvez; milagres, não sei; mas vejamos e no fim, ajuíze o benévolo leitor.

Villa Cisneros, 1947 (S. Soares, in «Histórias com Asas, APPLA, 1992)

Villa Cisneros, 1947
Cte. Silva Soares, in Histórias com Asas, A.P.P.L.A., Lisboa, 1992.

 

UMA CONSOADA NO SAHARA

 Durante a minha carreira de piloto de transportes públicos, muitas foram as Consoadas que passei longe da família. Paris, Madrid, Elisabethville (capital do efémero Estado do Katanga), Cairo, Accra, e Villa Cisneros (a actual Dakhla, tão desejada para capital pela Polisario), foram alguns dos locais em que fui apanhado pelo Natal ou Ano Novo.
 O Rio de Janeiro, S. Paulo, Luanda, Beira, e Lourenço Marques, também me serviram de palco a Consoadas. O Fim do Ano de 1966 foi passado em agitado voo entre Cabinda e Luanda, durante a evacuação de um operário da Cabinda Gulf Oil, vítima de grave acidente duma sonda de prospecção de petróleo.
 Não esqueço uma noite de Natal, em 1948, em Elisabethville. Um dos passageiros brindou a tripulação do avião com um maravilhoso concerto de piano em que as polacas de Chopin [**] foram o prato forte. Num piano, diga-se, de onde à mistura com as cristalinas notas, saltavam gigantescas baratas! Chamava- se o passageiro… Sequeira Costa.
 Porém, uma Consoada houve que ainda hoje recordo, se não com saudade, pelo menos pela série incrível de azares que me levou a passar a noite de Natal no deserto do Sahara! Foi o Natal de 1952 em Villa Cisneros.
 No dia 22 de Dezembro, chegado a Lisboa vindo de Londres, fui avisado de que estava escalado para seguir de imediato para Villa Cisneros, pilotando um DC-3 para substituir o avião da linha d' África, que na descolagem para Dakar sofrera uma grave avaria num dos motores e abortara a descolagem. Lavaríamos material e pessoal para a reparação desse avião. Terminada a reparação, regressaríamos a Lisboa. Esperava-se que estivéssemos de regresso, o mais tardar, na manhã do dia 24.
 Se tudo correr bem, pensei.
 Depois de um voo directo de Lisboa a Villa Cisneros, quase oito horas de monótono voo, aterrámos às duas da manhã no meio de uma nordestada agreste e fria que, levantando a areia, tornava a visibilidade muito reduzida. Rapidamente se procedeu ao transbordo do correio, carga e bagagem. Uma vez reabastecido, e embarcados os passageiros, a carreira d' África descolou para Dakar.
 Mas, aproveitando a azáfama e confusão do transbordo, roubámos à tripulação, que iria, na melhor das hipóteses, fazer a Consoada em Accra, um bolo-rei de tamanho descomunal. Ainda não tinham atingido a altitude de cruzeiro quando deram por falta do bolo-rei, enviando para Villa Cisneros um telegrama em que nos desejavam uma difícil, dolorosa e doentia digestão do bolo-rei!
 No meio da risota que tal telegrama causou aos ladrões, esquecemo-nos de que o «crime não compensa», e de que «Deus escreve direito por linhas tortas».
Villa Cisneros tinha, na altura, meia dúzia de casas em volta de um forte militar (cópia fiel do forte do filme «Beau Geste»), e umas dezenas de tendas. Era a capital do Sahara Espanhol, e a magnífica baía, virada a Sul, um dos abrigos utilizados pela numerosa frota de pesca que actuava na área do Cabo Branco.
 Uma das casas era o «parador», a pousada, maravilhosamente decorada no estilo andaluz, com simplicidade e requintado bom gosto. O «parador» normalmente estava ocupado pelas famílias dos oficais do exército que, ali estacionados, não dispunham de residência. Mal se soube que «los portuguesitos» iam ficar uns dias em Villa Cisneros, foi um alvoroço na terrinha. Dadas as boas amizades que ao longo de anos tínhamos feito com aquela gente, não houve dificuldades no «acomodar» dos inesperados visitantes no superlotado «parador», nem faltaram programas para festas em nossa honra. Para nós, a não ser um sempre presente receio de que as coisas «dessem» para o torto e acabássemos por passar o Natal longe da nossa família, esta passagem por Villa Cisneros prometia um agradável passatempo turístico saharitano, um aperitivo para os festejos de Natal e Ano Novo.
 Às tantas da noite, depois de uma ceia de «gambas a la plancha» regadas com um magnífico tintol, resolvemos ir até ao «aeroporto» (um quadrado talhado no deserto com quase dois quilómetros de lado!), para ver como estava correndo a reparação do motor avariado.
 Fazia um frio horrível, e soprava um Nordeste seco e carregado de areia que cortava a pele, já gretada pela secura do ar.
 O trabalho dos mecânicos, na falta de um hangar, decorria ao ar livre. Para impedir a entrada de areias para o interior do motor, trabalhavam cobertos por oleados e lonas, que dificultavam os seus movimentos e a iluminação da área de trabalho.
 Mas, mesmo em condições tão adversas, a reparação estava decorrendo com rapidez e perfeição, e a substituição de um dos cilindros estava quase terminada. Dispúnhamos de todo o dia seguinte para terminar o trabalho, e fazer acamar os segmentos por rodagem do motor. Pareceu-me desnecessário submeter o pessoal a tão duras condições de trabalho, uma vez que bastaria parte da manhã seguinte para preparar o motor para a rodagem. Resolvi que se suspendesse o trabalho, e aproveitassem a noite para o merecido repouso.
 Todos ajudámos a calafetar e a cobrir o motor. E, como alguns dos segmentos já estavam apontados, para além de recomendar às sentinelas que não rodassem o hélice [***], pendurámos no cubo do hélice um enorme cartaz pedindo, em espanhol, que não mexessem no motor nem na hélice. Junto do avião ficaria uma sentinela, pelo que não corríamos o risco de que um tuareg mais bisbilhoteiro se metesse a mecânico amador.
 Na manhã seguinte, seriam umas oito horas, sou acordado pelo chefe de mecânicos, apoplético e berrando-me que «uma besta qualquer rodou o hélice e lixou-nos o motor!»
 Fiquei para morrer…

Dc-3 Dakota, Villa Cisneros (A. n/id., 1947)
Um DC-3 Dakota dos T.A.P., Villa Cisneros, 1947
A. n/id., in Histórias com Asas, A.P.P.L.A., Lisboa, 1992.

 Durante a noite, uma das sentinelas achou que ficava muito feio não estarem as hélices de ambos os motores em posição simétrica. E para nosso azar, logo resolveu «acertar» o hélice do motor em reparação. É evidente que mal rodou o hélice, dois segmentos partiram-se e pelo menos um dos seus fragmentos caiu para o interior do cárter.
 Tínhamos segmentos sobressalentes, mas o motor não podia ser dado como operacional sem que estivéssemos certos de que não ficaram quaisquer  fragmentos dos segmentos partidos no interior do motor.
 Acompanhei o mecânico até ao nosso querido avião, o único meio de que dispúnhamos para sair daquele «buraco» e passarmos o Natal com a família. Toda a manhã, à medida que eram pescados os pedaços de segmento, estivemos absorvidos na desesperante tentativa de reconstituir, completa e minuciosamente, os dois segmentos partidos.
 Ao meio-dia, já um dos segmentos estava completamente reconstituído. Faltava, porém, um bom pedaço do outro segmento.
 E a «pesca» não estava dando mais nada!
 Sob um Sol escaldante, e a irritante areia que o vento seco levantava, já os nervos estavam «em franja», e até entre os mecânicos se instalava o desânimo e se verificavam os primeiros atritos.
 Decidi que fosse suspenso o trabalho. Mesmo perante a discordância de todos mantive a decisão. Não valia a pena remar contra a maré…
 Iríamos almoçar e dar tempo a que esfriassem os nervos. Depois do almoço retomar-se-ia o trabalho até às nove da noite. Depois da Consoada, se necessário, continuar-se-ia o trabalho, na tentativa de terminar a reparação de modo a possibilitar a nossa chegada a Lisboa a tempo de jantar.
 Quando os amigos de Villa Cisneros souberam das nossas dificuldades, embora tomassem ares de circunstância, embandeiraram em arco. É que, para eles, ia ser um Natal… com convidados!
 Foram de uma amabilidade extrema. O jantar-ceia foi coisa… fina. Além de pantagruélicos bifes de camelo, uma «paella», lagosta suada, e toda a espécie de mariscos. Até um «helado con melocotón» foi servido!
Feito com leite de camela, que o açucar e essência, em quantidades industriais, não conseguiam disfarçar os sabor característico e desagradável.
 Mais não era possível para nos apaparicarem.
 E não faltaram os presentes! Umas babuchas a um, um pingalim a outro, um punhal árabe ainda a outro, todos tivemos um presente.
 Mas nada nos podia levantar o moral, pois o trabalho até à hora de jantar não resolvera coisíssima nenhuma. O maldito pedaço de segmento teimava em não  aparecer.
 Pouco depois da Consoada, depois de muitas desculpas e agradecimentos, os mecânicos dirigiram-se novamente para o avião. Iam fazer a última tentativa de «pesca». Se não resultasse, desmontariam um outro cilindro que melhor acesso lhes proporcionasse ao cárter.
 Num gesto de solidariedade, todos os que tomaram parte na Consoada resolveram acompanhar os mecânicos.
 Tanta simpatia e amizade acabaram por comover o Criador…
 Mal começaram a descapotar o motor, caiu no tabuleiro colocado por baixo da zona de trabalho o pedaço de segmento que faltava!
 Desde o início da «tragédia» que caíra, não para o cárter, mas para uma dobra do oleado. Por artes do demónio, aí se manteve, apesar de várias vezes se ter removido e sacudido.
 Foi o fim do mundo! Espanhóis, portugueses e árabes, riam e pulavam de alegria. Trocávamos abraços repenicados.
 Ninguém pregou olho, nessa noite, em Villa Cisneros. Num improvisado «reveillon», centrado numa esganiçada grafonola, que descascou passo-dobles e marchinhas até às quinhentas da matina, demos largas à nossa alegria. Nem fogo de artifício faltou no improvisado arraial, com uns quantos tiros de
very-light e de pistola. Até a Amina, que vivia numa tenda próximo do forte, esbugalhou os doces olhos de gazela (ou olhos de gazela doce?) perante aquela maluquice dos infiéis.
 Quando raiou o dia 25, ao ser hasteada a bandeira espanhola, no meio de grande cerimonial e aparato militar, frente a uma impecável e folclórica companhia de
meharís montada em feiosos camelos, como pano de fundo, ouvia-se o roncar alegre do nosso motor, já a fazer a necessária rodagem.
 É que, surdos à farra, os mecânicos trabalharam desalmadamente todo o resto da noite.
 Ás oito e meia da noite desse mesmo dia 25, aterrávamos em Lisboa. E jantámos com a família…
 O castigo pelo roubo do bolo-rei ia ficando pesadíssimo. O crime, ficou mais uma vez provado, não compensa. Nem sequer provámos o maldito corpo de delito, pois constituiu presente da tripulação aos nossos anfitriões. E nem a prenda era coisa que se visse. A fava, essa, era enorme! Chegou para toda a tripulação «criminosa».

Eduardo Alexandre Viegas Ferreira de Almeida, «Uma Consoada no Sahara», in Quarenta Anos de Aviação, Martins & Irmão (impressor), 1995, pp.115 e ss.

Um DC-3 Dakota dos T.A.P., s.l, 194…-5… (A. n/id., in Histórias com Asas, A.P.P.L.A., Lisboa, 1992.)

 


[*] O prof. Rebelo Gonçalves ensina Sara no seu Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa (Atlântida, Coimbra, 1947, p. 365), explicando que é a forma que mais convém dar ao nome do grande deserto africano, como já fez o Vocabulário da A.C.L., e em que, não obstante o uso antigo do género feminino, se pode fixar, sob natural influência da palavra deserto o género masculino: o Sara. Esta forma, ao mesmo tempo que corrige a acentuação na última sílaba, devida à imitação do fr. Sahara, concilia e sintetiza duas que outrora se empregaram: Çahara (com acento na antepenúltima sílaba) e Zara. Compreensivelmente o A. da história , nascido há cem anos, segue aqui a forma francesa.
[**] Longe vinham ainda os violinos de Chopin.
[***] Os dicionários dispõem hélice como substantivo feminino. Entre o pessoal aeronáutico é mais frequente o seu uso no masculino, embora com oscilações, que aliás se percebem nesta história do Cte. Viegas Ferreira de Almeida
.

Escrito com Bic Laranja às 12:25
Verbete | comentar
2 comentários:
De Joe Bernard a 24 de Dezembro de 2019
Histórias de outra aviação...
Ainda me lembro deste Comandante.
De Bic Laranja a 24 de Dezembro de 2019
😃
Feliz Natal!

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____